Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 31-03-2007

SECÇÃO: Formação em acção

Todos Diferentes, Todos Iguais

Na Unidade de Formação Cidadania e Mundo Actual, inserida no Módulo “Discriminação e Racismo: Todos diferentes, Todos Iguais”, foram-nos apresentados alguns objectivos, tais como: a Pessoa como valor em si, a Dignidade Humana, a Liberdade, a Igualdade e a Fraternidade.
Temas controversos para nós, pois apresentavam alguma dificuldade, mas que depois de alguma discussão, pudemos concluir que os direitos humanos representavam os padrões de uma vida humana digna e apoiavam-se nos princípios da liberdade, da justiça e da solidariedade. O respeito pelos direitos humanos permite a realização plena das pessoas e das comunidades.

foto
Estando presentes nas principais religiões e fundamentados em diversas correntes filosóficas, os direitos humanos estão consagrados na Declaração Universal dos Direitos do Homem e nas Constituições dos Estados de Direito Democrático, o que até agora ignorávamos. São inerentes ao ser humano, sendo nesse sentido, também denominados por direitos naturais, devendo ser iguais para todos, independentemente do género, raça, religião, ideologia ou nacionalidade. Os direitos humanos são universais.
Gradualmente, têm vindo a abranger mais dimensões da vida humana. Se a primeira grande conquista foram os chamados direitos civis e políticos dos cidadãos, como o direito à vida, à segurança, à participação politica, à liberdade de opinião, de expressão, de reunião, de pensamento, de consciência e de religião; a segunda aquisição foi o reconhecimento dos direitos económicos e sociais, como o direito ao trabalho, à educação, à alimentação, à habitação e aos cuidados de saúde. Por último, os direitos ao desenvolvimento cultural e político.
A necessidade destes “valores universais” faz-se sentir desde há muito. A crescente mundialização e interdependência das sociedades humanas tornaram imperioso que fosse encontrado um conjunto de referências que numa, escala mundial, fossem capazes de proteger os seres humanos dos abusos daqueles que detêm o poder. Consideramos esses “valores universais” fundamentais. Caso contrário, baseados em que valores condenamos as guerras? Os Genocídios? As perseguições a minorias étnicas ou religiosas?
Ao longo do nosso percurso, para melhor compreensão dos temas e porque somos dezasseis formandos com estilos e ritmos de aprendizagem muito diversificados, utilizámos vários métodos, desde pesquisas a trabalhos de grupo, etc, sempre supervisionados pela formadora, que fez a gestão das diferenças.

Curso: Práticas Administrativas
Módulo: Cidadania e Mundo Actual

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.