Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 15-10-2006

SECÇÃO: Região

Cabeceiras de Basto assinalou
Dia da Bengala Branca e promove exposição

Cabeceiras de Basto assinalou no dia 15 de Outubro, o Dia da Bengala Branca, símbolo e auxiliar de orientação e apoio na mobilidade de pessoas portadoras de deficiência visual. Assinalado em todo o mundo desde 1964, este dia referencia o início simbólico da aprendizagem sistemática de orientação e mobilidade por parte destas pessoas.

As peças expostas no Posto de Turismo
As peças expostas no Posto de Turismo
A efeméride foi igualmente assinalada neste concelho, através da Câmara Municipal e da empresa EMUNIBASTO, que com o apoio da Associação de Deficientes Visuais do Distrito de Braga, proporcionou uma jornada de convívio e confraternização a todos os invisuais do distrito que se deslocaram a Cabeceiras de Basto e de sensibilização à população em geral. O dia começou no Posto de Turismo Municipal com a inauguração de uma exposição de artesanato habilmente produzido por Joaquim Chaves, um deficiente visual que ficou cego aos cinco anos de idade, o que não o impediu de criar peças como cestas, candeeiros, cinfos, naprons entre outras, a partir de materiais como madeira, ferro e linhas. Joaquim Chaves, hoje com 42 anos de idade, encontrou nos trabalhos manuais uma forma de comunicar com o mundo. Em criança frequentou colégios e escolas para invisuais em Lisboa e no Porto. Foi aí que aprendeu um pouco mais sobre carpintaria e sobre o artesanato em geral. Também aprendeu Braille e actualmente lê e escreve através desta linguagem. As peças produzidas e expostas por este artesão que aproveita tudo o que lhe vem à mão para criar coisas novas, estão disponíveis para venda naquele espaço cabeceirense. Joaquim Chaves tem vindo a realizar algumas exposições, sobretudo em escolas que o solicitam para apresentar o seu trabalho ao vivo, que agora está patente ao público no Posto de Turismo Municipal das 9h00 às 12h30m e das 14h00m às 17h30m. A exposição apresenta ainda material de apoio à deficiência visual e pode ser observado até ao próximo dia 31 de Outubro.
Segundo informação divulgada, a jornada continuou com a degustação da gastronomia local a que se seguiu uma visita ao Centro Hípico de Cabeceiras de Basto, assim como ao Museu das Terras de Basto, no Arco de Baúlhe. Este último com a particularidade de apresentar legendagem em Braille dos artefactos, painéis e das diferentes componentes que constituem este museu que além do património ferroviário e etnográfico aborda a viagem como tema central.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.