Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 30-06-2006

SECÇÃO: Região

"Convívio de Refojos" por Terras de Barroso e Gerês

A Associação Janelas Abertas, em colaboração com a Junta de Freguesia de Refojos proporcionou, no passado dia 17 de Junho, aos numerosos utentes que frequentam o Espaço de Convívio e Lazer a funcionar nas instalações da Sede da Junta de Freguesia, um magnífico passeio pelas terras altas de Barroso, mais concretamente, pela área do Concelho de Montalegre integrada no Parque Nacional de Peneda-Gerês.

O trabalho do artesão e a atenção do ilustre visitante....
O trabalho do artesão e a atenção do ilustre visitante....

Visita a Montalegre

A excursão, com cerca de meia centena de utentes, fazia-se acompanhar pelos Presidente e Secretário da Junta de Freguesia, senhores Francisco Alves e Armindo Félix, respectivamente e ainda, por um técnico do Parque Nacional da Penede-Gerês, Eng, Ricardo Pinheiro, que a título pessoal se disponibilizou para dar apoio à iniciativa. Foi ainda bem cedo que se chegou a Montalegre onde visitaram locais de maior interesse, o Castelo e a zona histórica envolvente. Ali, mereceu maior atenção a “Árvore da Forca”, um carvalho centenário implantado no largo principal da vila, no qual, alegadamente, terá sido condenado à morte o último enforcado daquele concelho, o “Bégueiro”, por sinal, um apelido que se perpetuou na região de Barroso (e não só), com um sentido depreciativo e de rejeição.
Relação de proximidade e de culturas entre Cabeceiras e Montalegre
Relação de proximidade e de culturas entre Cabeceiras e Montalegre

... e à aldeia de Tourém

Mas, o melhor estava ainda para vir. Foi, de facto, deslumbrante percorrer e apreciar toda aquela paisagem pelos altos cumes do Gerês, com passagem obrigatória pelas mais típicas povoações da área da região, desde a longínqua e raiana aldeia de Tourém, (com visita à Casa dos Braganças e ao Forno Comunitário), até Cabril, nos limites com Terras de Bouro, onde se retemperaram forças pela tardinha, num parque de campismo junto às repousadas águas da barragem de Salamonde.
Aliás, por falar em barragens, será de referir que foi o que mais se viu durante todo o dia ao longo do curso dos rios Cávado e Rabagão. Depois dos Pisões, foi num parque de merendas junto à barragem de Sezelhe que se abriram os farnéis para o apetecido almoço.
Visita ao forno comunitário de Tourém
Visita ao forno comunitário de Tourém

Paredes do Rio

Uma amostra de "artes vivas"

Seguiu-se uma visita guiada à típica e renovada aldeia de Paredes do Rio, onde os responsáveis pela Associação Recreativa e Cultural local fizeram jus à reputação das gentes de Barroso pela forma de “bem-receber” e pelo orgulho e brio na sua cultura e tradições.
Remate da festa com um faustoso lanche
Remate da festa com um faustoso lanche
Depois de uma visita guiada ao Pisão, à Igreja, à Fonte e ao Forno, a comitiva foi brindada com uma verdadeira demonstração “ao vivo” dos afazeres artesanais com que as gentes locais ocupam o seu dia-a-dia, promovendo a sua aldeia e rendibilizando as suas economias. Mãos apressuradas de mulheres trabalham afanosamente a lã para fazer meias grossas, com que se protege do frio no rigoroso inverno; outros, homens, dedilham juncos, uma espécie de palha rija com que se fazem as crossas, que servem para os agricultores se protegerem da chuva e da neve; mais ao lado, um tamanqueiro, em poucos minutos fez de um pau de amieiro um “projecto” de socos… deixando regalada a curiosidade dos forasteiros…
Visita a Casa dos Braganças em Tourém
Visita a Casa dos Braganças em Tourém
E foi, como se imagina, em ambiente de franco convívio e confraternização que se abriram conversas fáceis, resultantes de uma relação de afinidades culturais e proximidade geográfica, entre os de Montalegre e de Cabeceiras de Basto, reforçada aliás, pela coincidente vitória de Portugal sobre o Irão no mundial de futebol. Para rematar, foi ainda servido um faustoso “lanche”nas instalações da Associação.
Convívio e alegria, foram uma constante durante o dia e ao longo de todo o percurso, transboradando de, quando em quando, para o exterior de onde provinham gestos de incentivo e aprovação, mais expressivos ainda quando identificados por gentes de Cabeceiras de Basto pelas letras gaafais desenhada na carroçaria do autocarro volvo da Câmara Municipal.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.