Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 31-03-2006

SECÇÃO: Opinião

O bem e os limites da tolerância

foto
Tolerância, um conceito de bastante importância entendida como respeito e consideração pela diferença, isto é, aceitar aqueles que têm uma maneira de ser e de proceder diferente da nossa. Estimular a tolerância pode contribuir para resolver conflitos e violências, temos o exemplo da intolerância religiosa (lutar contra outras religiões), é algo contra a qual me revolto e entristece, porque nos livros sagrados, na bíblia, no Corão e noutros, não está escrito para nos odiar-mos uns aos outros nem exterminar-mos outras religiões, afinal não é esse o princípio básico, mas sim o amor e união. É necessário por isso promover a tolerância, contudo, este assunto necessita de uma análise profunda, por ser difícil e complexo, porque a tolerância tem a sua justa medida, não é algo ilimitado.
Não podemos tolerar o assassinato, o roubo e a violação, promover a tolerância não é tolerar tudo, porque é evidente que não se pode tolerar tudo. O que seria de uma sociedade em que tudo fosse permitido, onde a tolerância e a liberdade não tivessem limites? Pensaríamos logo numa sociedade onde se instalaria o caos completo e absoluto.
A verdadeira tolerância não é uma atitude de neutralidade ou indiferença, fundamenta-se numa determinação de princípios, que se opõe à exclusão indevida do diferente, ou seja, deverá equilibrar os direitos de verdade com os da consciência individual. Quando não toleramos alguma coisa, é porque estão em causa verdades e valores que são imprescindíveis para a humanidade e como tal não se podem negociar, por exemplo não se tolera o assassinato para proteger o direito à vida.
A tolerância segue uma verdade universal que define o bem e o mal que nos rege durante a nossa vida.

Por: Fátima Magalhães

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.