Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 31-01-2006

SECÇÃO: Região

Homens armados de paus boicotam eleições presidenciais em Passos
Maioria da população da freguesia contra acto desordeiro

A freguesia de Passos, do concelho de Cabeceiras de Basto, andou, nos últimos dias, nas “bocas do mundo”, infelizmente pelas piores razões.
A arruaça de alguns habitantes, em número de 30 ou 40 pessoas, que provocou o boicote das eleições presidenciais, do passado dia 22 de Janeiro, constituiu uma vergonha e uma humilhação para as gentes ordeiras e pacíficas desta bucólica e encantadora terra.
A habitual pacatez de Passos foi manchada por um grupo de “revolucionários” de pau em riste, convencidos de que a razão da força é o melhor caminho para atingir os objectivos pretendidos.
Concentrado junto à antiga escola primária da freguesia, aquele grupo desordeiro impediu a realização do acto eleitoral, que viria a repetir-se dois dias depois, desta feita sem qualquer contestação.
O grupo contestatário, ligado à actual Junta de Freguesia do PSD/CDS-PP, que venceu as recentes eleições autárquicas, lança, como argumento das suas atitudes, a acusação de que a Câmara Municipal não entregou o edifício da antiga escola e a gestão do Centro de Convívio e Lazer, a funcionar no mesmo local, como seria sua obrigação.

O edifício da antiga escola é propriedade da Câmara

Ora, a realidade dos factos contraria tal posição conforme provam os documentos e as práticas anteriormente seguidas testemunhadas pelas pessoas que melhor conhecem a realidade e o funcionamento dos órgãos autárquicos.
De resto, o edifício da polémica, a antiga escola, é propriedade do Município, à responsabilidade, portanto, da Câmara a quem compete a gestão do seu espaço e a sua manutenção.
A Junta de Freguesia apenas possui, por cedência do Executivo Municipal, um gabinete de atendimento e reuniões naquele edifício, realidade que já vem de trás.
Por iniciativa da Câmara Municipal, vai para três anos, foi ali (no edifício da antiga escola) criado um Espaço de Convívio e Lazer, destinado às pessoas idosas da freguesia, cuja orientação, gestão e dinamização pertence à Autarquia municipal.
As pretensões da nova Junta de Freguesia, que tem anunciado querer mais espaços do edifício em causa e desejar colaborar na gestão e dinamização do Espaço de Convívio e Lazer não podem ser obtidas pela força, que só conduz ao confronto e à violência.

Não há democracia sem respeito e civismo

Exige-se, por isso, à Junta de Freguesia de Passos e aos manifestantes uma outra responsabilidade e uma outra forma de actuar. O bom senso, a humildade e o respeito pelos princípios da cidadania, da educação, do civismo e da democracia requerem de todos os agentes envolvidos e da população em geral uma postura de tolerância e de diálogo.
Ou seja, a Junta de Freguesia se quer e deseja estabelecer acordos de colaboração a vários níveis com outras entidades, incluindo a Câmara Municipal, tem que pedir, tem que proceder às diligências necessárias, que cada caso justifique. É assim em todo o lado. São estes os procedimentos correctos a seguir. E quem assim não fizer ou desconhece, concerteza, as regras do jogo, ou é incompetente, ou então está de má fé.
Para que os nossos leitores possam fazer um juízo mais avalisado dos acontecimentos que projectaram o nome da freguesia de Passos para todo o país, através dos órgãos nacionais de Comunicação Social, recolhemos alguns depoimentos de pessoas respeitadas e consideradas na localidade, não faltando, por isso, o Pároco, que estiveram distantes dos problemas e nada têm a ver com facções ou grupos locais.

Achei o protesto mal feito

Manuel Quelha
Manuel Quelha
Manuel Ribeiro da Quelha, é auxiliar de acção educativa na Escola EB 2,3 de Cabeceiras de Basto e reside no lugar de Viseu de Baixo, em Passos, sublinhou.
- Achei mal o protesto protagonizado por um grupo de pessoas de Passos para boicotar as eleições. Não é dessa forma que se resolvem os problemas. Todos sabem, aliás, que o edifício onde funcionou a Escola foi sempre pertença da Câmara Municipal que o construiu no tempo em que o Senhor Mário Campilho era o presidente. Do mesmo modo que o espaço reservado à actual Junta de Freguesia é o mesmo que a anterior Junta detinha. Quanto ao Espaço de Convívio e Lazer ali a funcionar, graças à iniciativa da Câmara, é, também, da sua responsabilidade.

Colocaram mal a freguesia

Celestino Andrade
Celestino Andrade
Celestino Teixeira Andrade, foi Tesoureiro da Junta de Passos entre 1977 e 2001, mora em Fundevila, desta freguesia, manifestou assim a sua posição.
- Foi uma aberração a manifestação que fizeram para impedir as eleições. Colocou a nossa freguesia mal e demos uma imagem de gente maldosa e agressiva. Foi uma pouca-vergonha que pensei nunca acontecesse na nossa terra. O edifício da antiga escola tem ali apenas em gabinete cedido pela Câmara, que é a dona do prédio e dos seus espaços. O que está agora já vem tudo do anterior. A Câmara Municipal não descriminou a actual Junta nem lhe retirou qualquer direito dos que vinham dos tempos passados.

Foi um acontecimento lamentável

Horácio Leite
Horácio Leite
Horácio Magalhães Leite, agricultor, também do lugar de Fundevila, antigo emigrante em França, dá a seguinte opinião.
- O que se passou em 22 de Janeiro foi um acto de falta de respeito e, claro, de falta de educação. O grupo que cometeu a “proeza” lamentável deu à freguesia uma imagem negativa, fazendo crer que as gentes de Passos e de todo o concelho são todos energúmenos. Não tem razão de ser a questão da antiga escola, que sempre foi pertença da Câmara. O terreno foi expropriado pela Câmara, há mais de 15 anos, para ali ser construída uma escola. Enquanto não existia este edifício a sede da Junta de Freguesia funcionava na chamada Casa do Colégio, precisamente onde agora está a escola primária e o infantário. No tempo da anterior presidente da Junta, Profª Rosa Ribeiro, é que passou a haver um gabinete na antiga escola e é só isso que a Junta de Freguesia tem.

A nossa Junta tem que ter uma postura de colaboração

José Neves
José Neves
José Fernando Oliveira Neves, funcionário administrativo do Hospital de Santo António, no Porto, mas ligado pelo casamento a Passos onde passa muitos fins-de-semana e quase todas as suas folgas, disse das suas razões.
- Não posso concordar com a atitude de alguns populares de Passos. Foi um acto pouco abonatório de quem nele participou e de quem o organizou. Pelo que conheço, a Câmara é a legitima proprietária do edifício em causa onde a Junta de Freguesia apenas possui, por cedência, um gabinete. O Espaço de Convívio e Lazer foi uma excelente iniciativa da Câmara que ali funciona e com o qual a anterior Junta de Freguesia colaborava. A nova Junta terá que se organizar e mostrar a mesma postura de colaboração para assim poder dar o seu contributo. Com ameaças e protestos públicos é que não resolve nada.

O boicote prejudica a nossa terra
Dulocídeo Leite
Dulocídeo Leite

Dulocideo Leite, reformado da agricultura, morador no lugar da Bandeira, em Passos, é um dos utentes que frequenta assiduamente o Espaço de Convívio e Lazer da freguesia, afirmou.
- Os que fizeram o barulho são uns loucos. Não deixaram o povo votar para as eleições do Presidente da República. Foi uma coisa feia que prejudica a freguesia. Olhe, que aqui, neste Espaço de Convívio, que era a antiga escola primária os terrenos pertenceram a um particular de quem eu fui caseiro. Mais tarde a Câmara comprou-os para construir a escola. Não há dúvidas, portanto, de que este edifício é da Câmara Municipal. Gosto muito de estar neste Centro de Convívio criado pela Câmara. Aqui passamos o tempo ocupados em diversas actividades que me fazem mais felizes.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.