Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 31-01-2006

SECÇÃO: A nossa gente

LUÍS PEDRO TEIXEIRA VASQUES
UM VERDADEIRO CAMPEÃO NA PESCA DESPORTIVA

foto
Desta feita fomos ao encontro de um jovem, muito jovem aliás, que já não é só promessa, mas um verdadeiro artista na Pesca Desportiva. Ganhou provas regionais, nacionais e representou com muita dignidade o nosso país no Campeonato do Mundo de Pesca Desportiva de Juvenis no ano passado. Digo que já não é promessa, porque estamos na presença de um campeão a quem se augura futuro promissor nesta modalidade.
Quisemos falar com o Luís Pedro, na certeza de que o seu gosto por este desporto pode vir a despertar noutros jovens e respectivas famílias o gosto pela sua prática, tirando já agora partido de uma excelente Pista como é o caso da nossa Pista de Pesca de Cavez. Para além de uma salutar ocupação dos tempos livres, o desporto faz bem não só ao nosso corpo, mas, também, à nossa mente. Convido-vos, por isso, a conhecer este “craque”, lendo esta entrevista que fizemos no aconchego da sua casa em Cavez, rodeados de fotos de momentos felizes da vida deste jovem e, naturalmente, da sua família.
E. B. – Quem é o Luís Pedro Vasques?
L. P. – Sou filho e neto de amantes da Pesca Desportiva. Tenho 15 anos, frequento a Escola EB 2, 3 de Arco de Baúlhe e estou no 8º ano de escolaridade. Na Pesca Desportiva disputo as provas nacionais no escalão de Esperanças.
E. B. – Nasceste em Cavez?
L. P. – Nasci no Hospital de Guimarães, mas sou filho desta terra. Cavez é a minha terra natal.
E. B. – Então, conta-nos lá como nasceu o gosto pela pesca?
L. P. – Desde muito pequeno que acompanhei o meu pai: Levava-me com ele à pesca. Por isso, muito cedo ganhei o vício da pesca e desde aí nunca mais parei.
E. B. – Quando recebeste a primeira cana de pesca?
L. P. – Tinha seis anos.
E. B. – Ficaste desde logo entusiasmado com o teu próprio equipamento de pesca?
L. P. – Sim. Com a ajuda do meu pai comecei logo a guardar a minha cana, os meus anzóis... e acompanhava-o sempre.
Com o pai, o grande responsável pelo gosto da pesca
Com o pai, o grande responsável pelo gosto da pesca
E. B. – Quando surge a competição?
L. P. – Através do Clube de Caça e Pesca de Cavez inscrevi-me na Associação Regional Norte de Pesca Desportiva. Com a Pista de Pesca de Cavez aqui ao pé, comecei a competir ainda muito novo.
E. B. – Que idade tinhas quando fizeste a primeira prova?
L. P. – Tinha 11 anos.
E. B. – Onde foi a primeira prova?
L. P. – Foi aqui em Cavez.
E. B. – Pode dizer-se que a existência desta Pista de Pesca na tua terra influenciou esse começo?
L. P. – Sem dúvida. As condições existentes convidam à prática da modalidade. Eu ia para o rio e o gosto pela pesca cada vez era maior.
E. B. – E depois da primeira prova...
L. P. – A seguir à prova de Cavez fiz competição em Penacova, Chaves e Cabeção, em Mora, no Alentejo.
E. B. – E saíste-te bem.
L. P. – Acho que sim. Estive apenas um ano no Campeonato Regional de Juvenis e logo passei para o Campeonato Nacional.
E. B. – A Pesca Desportiva é uma modalidade cara?
L. P. – É muito cara. O equipamento é muito caro, as deslocaões também. É preciso muito dinheiro e tem sido o meu pai a suportar esses custos.
E. B. – Quanto pode custar o conjunto dos equipamentos?
L. P. – Para ter sucesso é preciso saber escolher o material. Para fazer ideia, posso dizer-lhe que uma cana francesa pode custar entre 150 e 200 contos. Uma cana inglesa mais de 30 contos. Um banco 100 a 120 contos. Por isso, para competição podemos gastar no conjunto de todos os equipamentos à volta de 1.000 contos.
E. B. – E há patrocínios?
L. P. – Não, não tenho nenhum patrocínio.
E. B. – Então é puro prazer...
L. P. – Sem dúvida.
Participando no Campeonato do Mundo
Participando no Campeonato do Mundo
E. B. – Falemos agora da tua chegada ao Campeonato do Mundo. Como foi?
L. P. – Como já disse atrás, estive um ano a disputar o Campeonato Regional de Juvenis. Passei para o Campeonato Nacional, onde estive três anos. No Campeonato Nacional participei em muitas provas e fui um dos 10 melhores. Desses 10, fiquei apurado para representar o nosso país no Campeonato do Mundo que se realizou na Sérvia/Montenegro, em Julho do ano passado. Portugal ficou em sétimo lugar.
E. B. – Gostaste da experiência de representar Portugal e competir no estrangeiro?
L. P. – Gostei muito. Fui uma experiência única. Fiquei muito orgulhoso de representar Portugal. Espero poder fazê-lo Mais vezes.
E. B. – E depois?
L. P. – Entretanto completei 15 anos e subi de escalão. Passei para as Esperanças e disputei logo o Campeonato Nacional.
E. B. – E surgiram as melhores classificações...
L. P. – Sim. Este campeonato disputou-se em seis provas, duas em Cavez e quatro em Cabeção, no Alentejo. Foram três fins-de-semana de competição. Fiquei em primeiro lugar numa delas, fiz um segundo e ainda um terceiro lugar.
E. B. – Qual é o segredo do sucesso?
L. P. – Não sei se há algum segredo. É contudo necessário saber, desde logo, escolher o melhor equipamento: a cana, a linha, os anzóis... para cada local o equipamento terá que ser adequado ao tipo de peixe a pescar: carpas, bogas, escalos, barbos... Depois é preciso concentração com certeza.
E. B. – Qual foi a prova que lhe deu mais gozo?
L. P. – Foi uma prova que realizei aqui em Cavez inserida num torneio repartido entre esta Pista e a de Prado, em Vila Verde. Fui o vencedor absoluto.
E. B. – Qual é a duração de cada prova?
L. P. – 3 horas.
E. B. – E qual foi a maior pescaria?
L. P. – 10 Kgs. de carpas, em Cabeção.
E. B. – Quando vai para as provas faz algum tipo de preparação?
L. P. – Preparo o equipamento com o cuidado necessário e para as provas mais importantes faço uma espécie de estágio.
À margem desta entrevista ouvimos, ainda, o pai do Luís Pedro, o senhor Luís Vasques, lamentar-se da inexistência de apoios para a prática desta modalidade. Disse ao nosso jornal que ele próprio estaria disponível para ensinar alguns jovens a pescar, mas as dificuldades económicas não permitirão àqueles e às suas famílias adquirir os equipamentos necessários.

Por: Luis Filipe Silva

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.