Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 15-12-2005

SECÇÃO: Última Página

Saúde
URGÊNCIAS E INTERNAMENTO GARANTIDAS 24 HORAS POR DIA

As mudanças que se pretendem fazer nos serviços de Saúde do nosso concelho, têm agitado nos últimos anos e principalmente a partir de 2003, a opinião pública cabeceirense e as instituições.

COMO SE PLANEOU O NOVO CENTRO DE SAÚDE

Para melhor se compreender esta situação e o que a seguir vamos escrever é necessário recuar no tempo à data em que se começaram a fazer diligências para se construir o nosso Centro de Saúde, próximo do Mercado.

O edifício do Centro de Saúde com a parte já construída e a ampliar no futuro para o internamento
O edifício do Centro de Saúde com a parte já construída e a ampliar no futuro para o internamento
Quando se deram os primeiros passos para essa nova construção, era Primeiro Ministro o Prof. Cavaco Silva, tendo o seu Governo definido que os novos Centros de Saúde, para terras como Cabeceiras de Basto, apenas teriam serviços de consultas externas e de urgência.
Os médicos, enfermeiros e outros agentes de saúde do nosso concelho, conhecedores desta posição, que foi aceite pelo Governo seguinte ao de Cavaco Silva, pediram em 1997, à Câmara Municipal, para interceder junto do Governo de então, no sentido de o novo edifício do Centro de Saúde, ter além das consultas externas e urgências, também o internamento público. Seundo apuramos, apesar das tomadas de posição da Câmara, não foi possível naquela data alterar o rumo dos acontecimentos e o Centro de Saúde, foi construído somente com espaços para urgências e consultas externas.

QUEM PERSISTE SEMPRE ALCANÇA. A CÂMARA PERSISTIU E ALCANÇOU

Em 15 de Janeiro de 2001, a Câmara conseguiu que o Governo do Engº António Guterres, assinasse um contrato, para se ampliar o edifício do actual Cenetro de Saúde com o objectivo de aí funcionar o internamento público com 16 camas.
Este contrato, que a Câmara assinou com o Governo, não impediu, nem impede a Misericórdia de dar ao seu edifício do Hospital, sito na Boavista, um uso ligado com a prestação de cuidados de saúde, nomeadamente com a criação de uma Unidade de Internamento de Cuidados Continuados, para pessoas doentes, idosos ou não, que precisem de acompanhamento na área da saúde.
O hospital da Misericórdia na Boavista
O hospital da Misericórdia na Boavista

MISERICÓRDIA ASSINA CONTRATO COM O GOVERNO QUE ANULA INTERNAMENTO PÚBLICO

Entretanto, em Abril de 2004, a Misericórdia assinou um contrato com o Ministério da Saúde que previa a criação de uma Unidade de Internamento de Cuidados Continuados no Hospital da Boavista, mas que impedia a criação do Internamento Público junto ao novo Centro de Saúde.

ESTE GOVERNO MANTÉM INTERNAMENTO PÚBLICO

Com a entrada do Governo do Engº José Sócrates, o Ministério da Saúde decidiu manter o internamento público junto ao novo Centro de Saúde, com a ampliação do edifício para esse efeito e disponibilizou-se a assinar um acordo com a Misericórdia para que, no seu Hospital, possa funcionar uma Unidade de Internamento de Cuidados Continuados, na dependência desta instituição.

Com a decisão deste Governo, o nosso concelho e as pessoas que recorrem aos serviços de saúde ficam mais beneficiados pelos seguintes motivos:

1. Ficam, se essa for a vontade da Misericórdia, com dois serviços de Internamento, o da Misericórdia privado, para pessoas ou idosos que precisem de pequenos apoios em cuidados de saúde, e o público, para doentes agudos ou graves, a funcionar no novo edifício do Centro de Saúde.
2. Os três serviços públicos de saúde – Internamento, Urgência e Consultas Externas – ficam a funcionar todos no mesmo edifício (Centro de Saúde) com mais comodidade e conforto para os doentes e mais eficácia no trabalho produzido por parte dos agentes de saúde, médicos, enfermeiros e auxiliares.
3. O funcionamento da urgência está garantido 24 horas por dia, visto que os médicos que prestam serviço diurno e nocturno, no internamento público, também o fazem na urgência como já acontece agora no Hospital na Boavista.
4. O Estado vai deixar de pagar uma renda da ordem dos 5.000 Euros (1000 contos) por mês à Misericórdia referente ao aluguer do edifício do Hospital, da Boavista.
É do nosso conhecimento, que estão agora a decorrer obras no Centro de Saúde com a finalidade de adaptar salas para aí funcionar, provisoriamente, o internamento com 6 mais 4 camas (num total de 10), até que seja construído o novo edifício de raiz, com a ampliação do Centro de Saúde.
Também sabemos, que este Governo já aprovou a verba necessária para a construção do edifício do internamento junto ao Centro de Saúde prevendo-se o início da obra ainda durante o ano de 2006.

ASSIM, POR TUDO O QUE ACIMA FOI REFERIDO E PELOS DOCUMENTOS A QUE TIVEMOS ACESSO, PODEMOS GARANTIR AOS CABECEIRENSES QUE NÃO TÊM QUALQUER FUNDAMENTO, NEM SÃO VERDADEIRAS AS NOTÍCIAS VINDAS RECENTEMENTE A PÚBLICO, ONDE SE REFERE QUE A URGÊNCIA PODE FECHAR À NOITE.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.