Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 15-11-2005

SECÇÃO: Região

Grupo de populares de Passos invadiu sede da Junta
CÂMARA REPROVA E CONDENA DESTRUIÇÃO DE EDIFÍCIOS PÚBLICOS

Alguns populares da freguesia de Passos no concelho de Cabeceiras de Basto, arrombaram no dia 12 de Novembro, o portão de acesso ao logradouro e a porta do edifício, propriedade da Câmara, que alberga o Espaço de Convívio e Lazer da localidade, onde a anterior junta dispunha de um gabinete para prestação de serviços aos passenses cedido pela Autarquia para o efeito.
Os actos decorreram quando os organizadores e alguns populares se preparavam para ali realizar um magusto convívio, uma vez que se trata de um espaço central da freguesia.
No entanto, e segundo apuramos, o portão de acesso pedonal ao edifício encontrava-se aberto, não impedindo por isso, a realização do evento. A organização preferiu deitar abaixo o portão de acesso carral ao espaço, invadindo aquilo que é propriedade da Câmara Municipal, entidade que se mostrou indignada com os actos praticados e manifestou publicamente a total reprovação e condenação pela destruição dos bens públicos, divulgando a nota informativa que trazemos à estampa:
“Relativamente aos acontecimentos de destruição de bens públicos, ocorridos nos últimos dias na freguesia de Passos, nomeadamente na área envolvente e no edifício, propriedade da Câmara Municipal, onde funcionou até há pouco tempo, a escola primária, vimos esclarecer o seguinte:
1. Em 17 de Julho de 1981, a Câmara Municipal comprou uma parcela de terreno com a área de 1700m2 na freguesia de Passos, para aí construir o novo edifício da escola primária o que veio a acontecer nos anos que se lhe seguiram.

Portão de acesso ao Espaço de Convívio e Lazer de Passos arrombado por habitantes da freguesia
Portão de acesso ao Espaço de Convívio e Lazer de Passos arrombado por habitantes da freguesia
2. Nesse novo edifício funcionou durante muitos anos o ensino do primeiro ciclo, tendo posteriormente sido reconstruida a edificação da antiga escola de Passos para onde foi mudado o ensino primário e o pré-primário em 2003.
3. Assim, a nova escola construída nos anos 80, foi adaptada, pela Câmara Municipal, para aí funcionar, a partir de 17 de Agosto de 2003, um Espaço de Convívio e Lazer para idosos, tendo as obras de adaptação, bem como a aquisição dos equipamentos aí existentes, sido suportados globalmente pelo Município Cabeceirense. Nessa mesma escola, e a título precário, foi cedido um gabinete para os serviços da Junta de Freguesia.
4. Recentemente e com a eleição da nova Junta de Freguesia, a Câmara Municipal sempre mostrou disponibilidade ao Presidente agora eleito, para manter a cedência à Junta, do mesmo espaço que anteriormente lhe tinha sido disponibilizado. Para o efeito, comunicou ao actual Presidente da Junta a necessidade de se elaborar um protocolo para regularizar a utilização do espaço ocupado pela Junta de Freguesia.
- QUE FIQUE BEM CLARO, A CÂMARA MUNICIPAL CEDE A ESTA JUNTA DE FREGUESIA O MESMO ESPAÇO QUE CEDEU À ANTERIOR PARA AÍ FUNCIONAREM OS SERVIÇOS DA JUNTA.
5. O actual Presidente da Junta apesar de estar a ocupar um gabinete que é propriedade da Câmara, tem-se recusado a celebrar o protocolo antes referido.
6. A Câmara Municipal, entidade proprietária e responsável pelos bens e pela gestão do Espaço de Convívio e Lazer de idosos, sempre manteve o acesso livre àquele edifício e logradouro, aos cidadãos e aos titulares da Junta de Freguesia, tendo na última semana criado uma entrada pedonal que está sempre aberta e permite a livre circulação de pessoas. Assim, não é verdade quando se diz que tem de saltar pela rede da vedação exterior.
7. Os lamentáveis acontecimentos de 12 de Novembro, verificados naquele recinto, onde estiveram presentes o Presidente da Junta e outros elementos daquela autarquia com a presença de alguns populares, que levaram ao arrombamento do portão principal, bem como de uma porta no interior do edifício, do qual só tinha a chave o Presidente da Junta, não são aceitáveis e devem merecer a reprovação e a condenação de qualquer pessoa que respeite os princípios e os valores da cidadania.
8. A Câmara Municipal, além de reprovar e condenar estas atitudes informa a população que já participou estes lamentáveis incidentes à GNR e que irá proceder judicialmente contra os autores e demais pessoas envolvidas em tais actos, nomeadamente, contra o Presidente da Junta e restantes membros. “

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.