Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 18-11-2013

SECÇÃO: Informação

Seminário sobre a valorização dos recursos locais sensibilizou jovens na Casa do Tempo

Seminário decorreu no Auditório da Casa do Tempo
Seminário decorreu no Auditório da Casa do Tempo
No passado dia 13 de novembro realizou-se, no auditório da Casa do Tempo de Cabeceiras de Basto, um seminário sobre a ‘Valorização Económica e Social dos Recursos Locais’ promovido pela Câmara Municipal e pela ADRAVE – Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Ave.
O presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Dr. China Pereira, acompanhado pelo presidente da Assembleia Municipal, Eng. Joaquim Barreto e pelo administrador delegado da Adrave, Dr. Joaquim Lima, presidiu à sessão de abertura do evento, onde não faltaram os jovens estudantes e os potenciais empreendedores do concelho.
A iniciativa, que teve lotação esgotada, inseriu-se no âmbito do Projeto ‘Minho Empreende – Competitividade e Empreendedorismo em Baixa Densidade’ que teve como principal objetivo apresentar o projeto ‘Minho Empreende’ que será desenvolvido nos próximos meses no território Minho, nomeadamente no concelho de Cabeceiras de Basto, assim como sensibilizar e despertar o interesse dos participantes para a temática do Empreendedorismo, dando a conhecer os vários instrumentos que o projeto proporciona para o desenvolvimento da ideia e da criação de negócio em Cabeceiras de Basto.

Arboreto e Paps & Daps – dois casos de sucesso

A par da dissertação de Sandra Araújo, Embaixadora da Rede Europeia de Empreendedorismo Feminino em Portugal, o pro-grama do evento destacou a apresentação de dois casos reais de sucesso de empreendedorismo no concelho cabeceirense – empresas ARBORETO e PAPS & DAPS, Lda. – assim como a divulgação dos programas e instrumentos de apoio ao empreendedorismo apresentados pelo IAPMEI e Banco Espírito Santo.
Mónica Vaz Leite, em-presária no ramo das ervas aromáticas e medicinais, disse, na sua intervenção, que “empreender é uma vontade de fazer crescer algo”, dando conhecimento à plateia das dificuldades que teve de superar para implementar o seu negócio no terreno.
Por seu turno, Luís Rebelo, empresário no ramo das plantas ornamentais, salientou as mais-valias da criação/manutenção de uma empresa no interior: “não é por estarmos em Cabeceiras de Basto que estamos em desvantagem, muito pelo contrário”.
Defendendo que empreender é ser criativo, ter capa-cidade de análise intelectual, liderança e orientação para o futuro, a Embaixadora da Rede Europeia de Empreendedorismo Feminino em Portugal, Sandra Araújo, estimulou os jovens a “descobrir aquilo que mais gostam de fazer, a construírem um plano de negócio e a procurar apoios” para vingarem no mercado de trabalho.
Também os especialistas Francisco Pinto da Costa, do IAPMEI – Agência para a Competitividade e a Inovação e ainda Norberto Neiva, do Banco Espírito Santo, deram a conhecer aos público presente os Programas de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego, assim como o Microcrédito e o Fundo Basto Investe.
Durante o seminário foram abordados três painéis, cujos temas em debate foram a ‘Competitividade e Empreendedorismo em Territórios de Baixa Densidade’, o ‘Empreendedorismo: da Ideia à Ação’ e os ‘Programas de Apoio e Incentivo ao Empreendedorismo’.

“O mais importante nos territórios são as pessoas”

Na sessão de abertura do seminário, coube ao presi-dente da Câmara Municipal, Dr. China Pereira, dar as boas-vindas a todos os presentes e felicitar a organização pela dinami-zação deste seminário sobre a Valorização Económica e Social dos Recursos Locais.
Nas suas palavras, o autarca salientou que “o mais importante nos territórios são as pessoas” e que “só com as pessoas é que podemos fazer a mudança”.
Dando a conhecer a estratégia adotada pelo Município de Cabeceiras de Basto no que toca à valorização dos recursos humanos, à promoção do território, atração de investidores e à captação de investimento, China Pereira disse que o desemprego e a diversificação dos tecidos económico e empresarial em Cabeceiras de Basto são grandes preocupações da Câmara Municipal.
Olhando para o interior como fonte de riqueza, China Pereira salientou que a Câmara Municipal tem vindo a apostar no desenvolvimento rural e na sustentabilidade da agricultura, que poderá ser uma alternativa para muitos jovens e adultos que se encontram em situação de desemprego. E garantiu: “devido à sua boa localização e às suas potencialidades, Cabeceiras de Basto é um bom local para os jovens investirem”.

Fatores naturais são sinónimos de riqueza

Na oportunidade, o presidente da Assembleia Municipal, Eng. Joaquim Barreto, considerou estes encontros “da máxima importância no que se refere à informação, sensibilização e consciencialização das pessoas para aquilo que é possível fazer pela nossa terra e com quem o devemos fazer”, justificando que “é com seminários como este que nos apercebemos dos contributos que podemos dar para o desenvolvimento do nosso concelho”.
Joaquim Barreto destacou ainda a diversidade existente neste território rural de Cabeceiras de Basto, designadamente ao nível do clima e dos solos, afirmando que os fatores naturais são sinónimos de riqueza.
Reconhecendo as mais valias das parcerias e do trabalho em rede, o autarca colocou em evidência as potencialidades e especificidades do concelho de Cabeceiras de Basto referindo que “estamos num território de baixa densidade e temos de empreender numa ótica de competitividade”.
O presidente da Assembleia Municipal considerou que, “aliados os nossos produtos tradicionais, às culturas emergentes e às nossas pessoas, estão reunidos todos os ingre-dientes” para que Cabeceiras de Basto tenha futuro.
Referindo-se ao momento de crise que o país atravessa, o presidente da Assembleia Municipal lamentou que “haja cada vez menos gente no interior”, desafiando os cabeceirenses a “mostrarem o nosso valor”.

“No caminho do empreendedorismo nunca se pode desistir”

O administrador delega-do da Adrave, Dr. Joaquim Lima, desafiou a plateia a “enraizar a palavra empreendedorismo”, conceito que está relacionado com as oportunidades que as pessoas agarram e que, no fundo, representam uma oportunidade de negócio.
Considerando o “caminho do empreendedorismo difícil”, Joaquim Lima realçou a importância do empreendedorismo nos meios rurais e incentivou os jovens presentes na sessão a “nunca mas nunca desistirem” pois “as suas ideias podem ter sucesso”. E terminou: “no caminho do empreendedorismo nunca se pode desistir”.

Seminário deu contributo para desenvolver nos jovens a predisposição para empreender

O seminário ‘Valorização Económica e Social dos Recursos Locais’ pretendeu dar um forte contributo para desenvolver nos jovens a predisposição para empreender, promover a mudança de atitudes e comportamentos, demonstrar que ser empreendedor é uma atitude e um modo de vida, familiarizar os participantes com conceitos empresa-riais, fomentar o contacto com exemplos de empresários de sucesso e desenvolver o espírito empreendedor associado ao território.
Refira-se que o Minho Empreende representa um projeto âncora da EEC/Estratégia de Eficiência Coletiva MINHO IN, reconhecido como EEC PROVERE, em que a aposta estratégica passa pela valorização do potencial do território de baixa densidade, projetando-se num conjunto de redes empresariais, institucionais e temáticas.
O Minho Empreende ambiciona, até novembro de 2014, promover e incentivar a qualificação da capacidade empreendedora do Minho e dar reposta aos desafios existentes no que respeita à Inovação, Competitividade e Sustentabilidade dos territórios de cariz rural do Minho, lançando mecanismos e instrumentos de apoio ao empreendedorismo nas áreas do Turismo, Agroalimentar e Produtos Tradicionais, Ambiente, Natureza e Paisagem e Cultura e Património.
A rede que congrega um conjunto de entidades que no Minho se dedicam à promoção da criatividade, da inovação e do empreendedorismo, tem como destinatários do projeto os potenciais empreendedores, assim como as PME’s com necessidades de intervenção ao nível da inovação, da modernização e da competitividade.



Mónica Vaz Leite ARBORETO

“A importância destes seminários é essencial-mente a partilha de experiências e o despertar da motivação para que surjam vontades em fazer algo. Nestes seminários partilha-mos estratégias, sucessos mas também dificuldades porque nos caminhos traça-dos há sempre obstáculos a ultrapassar. Essa partilha é essencial para os outros. É necessário começar a conjugar fatores para que se possam ultrapassar obstáculos que muitas vezes passam por parcerias”.

foto









Luís Rebelo
PAPS & DAPS

“Estas iniciativas são importantes, especialmente, no que toca aos alertas de financiamento/crédito mas também no que se refere à partilha de ideias. Mesmo para nós que já estamos a trabalhar no terreno são muito importantes porque há valores que, no dia a dia, desvalorizamos e, quando estamos aqui, lembramo-nos deles. O mercado está em constante mudança e nós estamos a aprender todos os dias.”



foto




























© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.