Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 07-10-2013

SECÇÃO: Informação

Mulheres de Bucos na Festa do Outono em Serralves

Mulheres de Bucos mantêm viva a tradição  do fiar e do tecer
Mulheres de Bucos mantêm viva a tradição do fiar e do tecer
As Mulheres de Bucos, que dão vida à Casa da Lã na freguesia de Bucos em Cabeceiras de Basto, participaram ontem, dia 6 de outubro, na Festa de Outono promovida pela Fundação de Serralves, no Porto, uma iniciativa que ofereceu um conjunto de atividades a pessoas de diferentes faixas etárias, promovendo as antigas tradições e costumes do campo, num verdadeiro ‘hino’ à natureza e ao mundo rural, refere a informação divulgada pelo Município.
Durante o evento, que decorreu durante o dia, na Quinta de Serralves, cerca de uma dezena de mulheres demonstrou ao público as diversas fases do trabalho da lã, assim como os principais utensílios usados na manufatura das peças em lã, tais como mantas, meias e outros artefactos que têm vindo a conquistar a atenção dos forasteiros.
Peças podem ser adquiridas na Casa da Lã  e no Posto de Turismo
Peças podem ser adquiridas na Casa da Lã e no Posto de Turismo
Tendo em conta “a relevância e pertinência” deste projeto das Mulheres de Bucos e da Casa da Lã, assim como “a sintonia estreita com os objetivos do Núcleo de Educação Ambiental do Serviço Educativo da Fundação de Serralves”, o município de Cabeceiras de Basto esteve, assim, represen-tado na Festa de Outono que, na opinião das Mulheres de Bucos foi “um sucesso”, avançou a autarquia.
A Festa de Outono, que cumpriu a sua 5ª edição recebendo a visita de milhares de visitantes, teve este ano, no âmbito do Projeto de Divulgação da Biodiversidade, como convidada a raça ovina Bordaleira de Entre-Douro-e-Minho, representada pela AMIBA, tornando-se a este nível pertinente associar à presença dos animais, a cultura e as tradições associadas à sua produção sustentável, nomeadamente o aproveitamento da lã e o ciclo completo da sua transformação.
Casa da Lã assume-se como um projeto inovador

A Casa da Lã, que é um dos três núcleos que integra o Museu das Terras de Basto – um museu Municipal que inclui também o Núcleo Ferroviário de Arco de Baúlhe e o Núcleo Museológico do Baixo Tâmega (Núcleo de Arte Sacra), assume-se como um projeto inovador, liderado por uma dezena de mulheres da freguesia de Bucos que pretendem manter vivas as tradições e os usos desta gente de Basto. Com a etiqueta ‘Novelo de Lã’, os produtos manufaturados podem ser adquiridos na Casa da Lã ou no Posto de Turismo de Cabeceiras de Basto.
Trata-se de um projeto que a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto e a Junta de Freguesia de Bucos têm vindo a apoiar e a incentivar, “mantendo a tradição no fiar e no tecer, procurando novas funções, modelos e padrões para os trabalhos da lã”.
É objetivo da Casa da Lã e das Mulheres de Bucos inventariar as técnicas utilizadas; reunir espólio relacionado com o trabalho da lã; promover cursos para ensinar as técnicas relacionadas com o trabalho da lã de modo a que a arte não acabe; promover a qualidade estética dos produtos, criando novos modelos; e contribuir para a criação e manutenção dos postos de trabalho.
Recorde-se que a Casa da Lã foi inaugurada no dia 7 de setembro de 2012 pelo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, tendo estas mulheres já participado em inúmeros eventos locais, regionais, nacionais e programas televisivos, com destaque para a colaboração no espetáculo ‘Adormecida’ que a Companhia de Teatro e Marionetas de Mandrágora desenvolveu em torno do projeto da Lã das Mulheres de Bucos com exibição nos Estados Unidos da América.


























© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.