Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 26-08-2013

SECÇÃO: Informação

Adriana Ferreira e Daniel Ribeiro protagonistas do Concerto de Verão

Cabeceirense Adriana Ferreira exímia tocadora de flauta
Cabeceirense Adriana Ferreira exímia tocadora de flauta
A Igreja do Mosteiro de S. Miguel de Refojos acolheu no dia 9 de agosto, o Concerto de Verão de Órgão de Tubos que foi protagonizado pelo organista Daniel Ribeiro e pela flautista cabeceirense Adriana Ferreira. Uma iniciativa cultural, integrada no programa festivo do Encontro das Comunidades que decorreu nesta vila e que atraiu àquele local de culto, dezenas de pessoas que ali se deslocaram para assistir a um espetáculo de grande qualidade e beleza.
De referir, que a jovem flautista Adriana Ferreira, com 22 anos de idade, é atualmente solista da Orquestra Nacional de França, estrutura que integra desde 2012. Com um vasto currículo na área musical, esta “prodigiosa flautista tem sido reconhecida aquém e além fronteiras, apresentado no seu percurso profissional várias e importantes distinções alcança-das no panorama musical nacional e internacional” referiu na altura o vereador da cultura Dr. Domingos Machado a quem coube a apresentação dos músicos convidados. O autarca agradeceu igualmente a gentileza da jovem artista em oferecer este magnífico concerto aos seus conterrâneos.
Dezenas de pessoas assistiram ao espetáculo
Dezenas de pessoas assistiram ao espetáculo
De referir que Adriana Ferreira obteve o primeiro, o Prémio da Orquestra e o Prémio do Jovem Júri no Concurso Internacional de Flauta Carl Nielson (Dinamarca) e o 3.º Pémio no Concurso Internacional de Flauta de Kobe (Japão). A flautista, apresentou-se a solo com a Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra Gulbenkian, Orquestra Sinfónica de Odense, Orquestra de Câmara de Kobe e Orquestra de Câmara do Kremlin, entre outras. O seu primeiro CD – Dance des Sylphes, com a pianista Isolda Crespi, foi lançado em 2011 com a etiqueta Numérica.
Adriana Ferreira foi ainda, solista em diversas Convenções de Flauta e Festivais Internacionais de Música em Portugal, Espanha, França, Suiça, Inglaterra, Alemanha, Holanda, Dinamarca, Finlândia, Noruega, Rússia e Estados Unidos. Obteve também prémios em vários concursos, entre os quais o 1.º prémio e o prémio do Público no Concurso de Interpretação do Estoril|Prémio El Corte Inglés e o 1.º Prémio no Concurso Nacional do Jovem Flautista em França. Esta flautista cabeceirense, estreou obras de vários composi-tores, como o Concerto de Flauta e Orquestra Pe. Joaquim dos Santos e para Flautim e Eletrónica de Diana Soh (IRCM), a si dedicados.
Adriana Ferreira é por isso, uma exímia tocadora de flauta que deu os primeiros passos musicais na Banda Cabeceirense. Ex-bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian, concluiu o mestrado no Conservatório Nacional Superior de Música de Paris, tendo estudado durante um ano na Escola Superior de Música Hanns Eisler de Berlim (Erasmus). É licenciada em Musicologia pela Universidade de Paris – Sorbone.
Em Cabeceiras de Basto, sua terra natal, Adriana Ferreira interpretou vários temas ao longo da noite, de compositores como A. Vivaldi, C. Franck, J.S. Bach, E. Elgar e também o tema Preludio, Ricercare e Corale para órgão, do compositor cabeceirense Joaquim dos Santos, magnificamente acompanhada por Daniel Ribeiro. Um jovem organista, natural de Paredes que apresenta já um vasto corrículo. Iniciou os seus estudos musicais com o Pe João Carrapa e em 1999, ingressou no Conservatório de Música Sacra na Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa, onde concluiu o Mestrado em Música Sacra. Concluiu também o Mestrado em performance musical na Hochs-chule fur Musik und Tanz em Colónia, tendo participado em vários cursos ao longo da sua carreira musical. Daniel Ribeiro, possui uma atividade regular, a solo ou integrando diversas formações musicais, tendo participado em vários festivais e ciclos de música para órgão em Portugal e no estrangeiro. É por isso, um exímio tocador de órgão de tudos tendo igualmente contribuído ao som deste belo instrumento barroco para o brilhante serão musical proporcionado ao numeroso público que marcou presença na Igreja do Mosteiro de S. Miguel de Refojos.

Câmara recuperou órgão
de tubos após oitenta anos
de silêncio

De referir que o órgão de tubos do Mosteiro S. Miguel de Refojos foi construído no ano de 1771. Após oito décadas de silêncio, voltou a tocar em Julho de 2009, depois de uma importante intervenção de restauro levada a cabo com o apoio da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto que fez um significativo esforço financeiro para recuperar e devolver à população o som do secular órgão de tubos, que desde então, tem vindo a contribuir para proporcionar uma maior e melhor oferta musical e cultural em Cabeceiras de Basto, através da realização de vários concertos que vêm valorizar este magnífico instrumento barroco e proporcionar aos Cabeceirenses e a todos os que nos visitam momentos culturais distintos
















.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.