Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 11-02-2013

SECÇÃO: Informação

Ciclo de Conferências evocou vida e obra do Padre Dr. Joaquim Santos

O Presidente da Câmara, Engº Joaquim Barreto associou-se à iniciativa promovida pelo Agrupamento de Escolas
O Presidente da Câmara, Engº Joaquim Barreto associou-se à iniciativa promovida pelo Agrupamento de Escolas
Decorreu no passado dia 23 de janeiro, no Auditório da Escola Básica e Secundária de Cabeceiras de Basto, o Ciclo de Conferências Evocação Internacional do cabeceirense Joaquim Gonçalves dos Santos (1936-2008).
Intitulada ‘Joaquim Gonçalves dos Santos – a Vida e o compositor’, a conferência teve como orador Vítor Hugo Matos, docente da Universidade do Minho e doutorando da Universidade de Évora com a tese ‘Obra Clarinetística de Joaquim dos Santos’, contando ainda com a participação do presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Eng. Joaquim Barreto.
Organizado pelo subdepartamento de Educação Musical e de História do Agrupamento de Escolas de Cabeceiras de Basto, o ciclo de conferências, que decorre em 2013, contou com a colaboração da Câmara Municipal, da empresa municipal Emunibasto e da Paróquia de Refojos de Basto.
Coube à diretora do Agrupamento, Dra. Céu Caridade, dar as boas vindas ao orador e a todos os presentes, oportunidade que aproveitou, também, para felicitar os organizadores pela homenagem que este evento presta ao Padre Dr. Joaquim Santos, um ciclo de conferências que “enche de orgulho” o Agrupamento de Escolas.
Na sua intervenção, o orador Vítor Hugo Matos recordou à plateia a vida e obra do compositor Padre Dr. Joaquim Gonçalves dos Santos – que nasceu em 1936 em Vilela, freguesia de Riodouro deste concelho de Cabeceiras de Basto e que faleceu em 24 de junho de 2008 – um homem “de convicções e desafios” que desenvolveu uma “atividade singular na área da música”.
Filho de um ‘amante da música’ – o pai tocava guitarra portuguesa e flauta transversal na Banda de Música Cabeceirense – Joaquim Santos cedo revelou o seu dom para a música. Considerado um “compositor singular, com uma linguagem muito própria e inovadora”, o “maestro” deixou uma vasta obra, grande parte dela editada em Itália.
Joaquim Santos estudou Música, foi ordenado sacerdote em Braga em 1962, foi professor no Seminário Conciliar de Braga, foi organista principal da Igreja Bambino Gesù em Roma, fundou em 1986 a revista Música Nova e em 1971 tornou-se docente de Educação Musical em Cabeceiras de Basto. Residiu, grande parte da sua vida, no lugar de Moimenta, na freguesia de Cavez.
O cabeceirense Joaquim Santos foi, também, um dos primeiros músicos portugueses bolseiros da Calouste Gulbenkian, tendo estudado em Roma, onde privou com “grandes nomes do mundo da música”.
No final da conferência, onde foram revelados os aspetos mais relevantes da vida e obra do “maestro” Joaquim Santos, o presidente da Câmara Municipal felicitou o Agrupamento pela realização desta iniciativa, “à qual a Câmara Municipal e a Emunibasto se associaram com satisfação”.
Na sua intervenção, o autarca Joaquim Barreto recordou o Padre Dr. Joaquim Santos como um “ilustre cabeceirense, um homem discreto, harmonioso na música e no diálogo. Uma pessoa simples, humilde, determinada, de princípios fortes, sábia e irreverente. Um dos grandes impulsionadores da recuperação do Órgão de Tubos da Igreja do Mosteiro de S. Miguel de Refojos, que esteve parado 80 anos” e que a Câmara Municipal levou a efeito.
Por toda a sua vida e obra “devemos recordá-lo com saudade e admiração”, finalizou Joaquim Barreto, relembrando à plateia que Joaquim Santos é o autor da música do Hino de Cabeceiras de Basto.
Refira-se que, pelo seu valor como homem e como músico, a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto homenageou, em vários momentos, Joaquim Santos. Em 1999 com a atribuição da Medalha de Ouro de Mérito Concelhio; em abril de 2007, por ocasião do seu 71º aniversário, com a realização de um concerto que reuniu autarcas, familiares, amigos e população em geral, na Igreja do Mosteiro de S. Miguel de Refojos; em 2009 com a atribuição do seu nome a um Centro Escolar em Refojos, que passou a designar-se Centro Escolar Padre Dr. Joaquim Santos, passando neste ano também a integrar a toponímia do lugar de Moimenta, na freguesia de Cavez.
No final, o orador Vítor Hugo Matos, também ele um conceituado músico, brindou a plateia com um momento musical, a solo de clarinete, interpretando ‘Torre della Scimmia’ do Padre Joaquim Santos.


© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.