Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 30-07-2012

SECÇÃO: Informação

Dois anos de atividade

Dia da Inauguração da Unidade com 1º utente, Sr. Vítor Lopes em julho de 2010
Dia da Inauguração da Unidade com 1º utente, Sr. Vítor Lopes em julho de 2010
Unidade de Internamento de Cabeceiras de Basto: valeu a pena

Aberta oficialmente há dois anos, mais concretamente no dia 15 de julho de 2010, a Unidade Pública de Internamento e Convalescença de Curta Duração de Cabeceiras de Basto tem-se revelado uma aposta ganha.
Aliados às instalações de qualidade, o profissionalismo, a dedicação e o empenho dos recursos humanos revelaram-se essenciais ao sucesso deste serviço público de saúde integrado na gestão do Centro Hospitalar do Alto Ave, que abarca os hospitais de Fafe e Guimarães.

A Unidade Pública de Internamento e Convalescença de Curta Duração de Cabeceiras de Basto, cuja duração do internamento é até 30 dias consecutivos sem qualquer custo para os utentes, apresenta taxas de ocupação muito satisfatórias, comprovadas pela crescente procura deste serviço por parte das famílias Cabeceirenses mas também de pessoas oriundas de concelhos vizinhos.

Pelas informações que conseguimos obter junto dos familiares e utentes desta unidade de saúde, calcula-se que a ocupação da Unidade de Internamento de Cabeceiras de Basto tenha aumentado significativamente desde o início deste ano, podendo a taxa de ocupação ser já superior a 60%.

Instalada num edifício novo, contíguo ao Centro de Saúde de Cabeceiras de Basto, a Unidade de Internamento possui 16 camas, 11 das quais que se destinam à rede nacional de cuidados continuados e cinco que estão fora da rede – camas de retaguarda para doentes em recuperação após intervenção cirúrgica e hospitalar.
foto

De referir que esta unidade está capacitada para o internamento de doentes estáveis, isto é, que se encontram em fase de recuperação de um processo agudo ou recorrência de um processo crónico e que têm uma perda de autonomia potencialmente recuperável.
Os utentes das unidades de convalescença são “maioritariamente doentes dependentes e a necessitar de componente de reabilitação intensiva”, lê-se na página oficial da Rede Nacional de Cuidados Continuados do Ministério da Saúde.

Cuidados de proximidade. Quem pode ser internado nesta Unidade?

A abertura da Unidade de Internamento de Cabeceiras de Basto veio proporcionar as condições necessárias para o desenvolvimento de uma política de prestação de cuidados de saúde de proximidade, uma vez que a sua ocupação está prioritariamente orientada para doentes do concelho e da região, para recuperação funcional ou adaptação dos doentes à incapacidade.
Apesar de haver esta resposta no concelho, há cabeceirenses que se têm queixado do encaminhamento de doentes seus familiares para outras terras, quando têm esse tipo de respostas em Cabeceiras de Basto e onde o grau de satisfação dos utentes é muito elevado. Cabe às famílias ter um papel ativo e determinante no encaminhamento dos seus familiares para a Unidade Pública de Internamento próxima da sua área de residência mostrando a sua vontade e a sua posição quando falam com os médicos que estão a tratar dos doentes, uma vez que o utente tem direito a escolher a unidade onde pretende ser internado.

Como podem os utentes e familiares aceder à Unidade de Internamento?

Para poder aceder à Unidade de Internamento, o familiar responsável, ou o próprio doente, deve contactar o serviço do hospital onde o mesmo está internado ou, então, contactar com a Equipa de Gestão de Altas desse mesmo hospital, expressando a sua vontade em ingressar na Rede Nacional de Cuidados Continuados de Cabeceiras de Basto. Se o doente estiver em sua casa aqui em Cabeceiras de Basto ou num lar, deve contactar o seu médico de família, o médico do Centro de Saúde, enfermeiro ou assistente social, manifestando a necessidade da prestação de serviços de cuidados de saúde em regime de internamento e a vontade de que esses mesmos serviços e cuidados sejam prestados na Unidade de Cabeceiras de Basto.

Cuidados de saúde prestados ao doente

De acordo com o sítio oficial da Rede Nacional de Cuidados Continuados na internet, a Unidade de Internamento e Convalescença assegura a existência de cuidados médicos permanentes; cuidados de enfermagem permanentes; cuidados de fisioterapia; apoio psicossocial; higiene, conforto e alimentação. Na Unidade Pública de Internamento e Convalescença de Curta Duração de Cabeceiras de Basto os utentes têm, ainda, a garantia de um serviço de saúde de qualidade, com todo o carinho e atenção que os utentes merecem.

Saliente-se que antes desta Unidade Pública de Internamento entrar em funcionamento, os doentes de Cabeceiras de Basto ficavam internados em Guimarães, ou em Fafe, com os inconvenientes que daí decorriam para os utentes e seus familiares que tinham de fazer deslocações àquelas cidades para os visitar. Mesmo agora, infelizmente, num caso ou noutro, ainda acontece que o doente que podia recuperar em Cabeceiras de Basto, mas por negligência ou por falta de cuidado de alguns serviços há doentes deste concelho no Hospital de Guimarães e de Fafe que aqui podiam fazer a sua convalescença e recuperação em melhores condições para eles e com mais apoio de proximidade das famílias.

A prestação de cuidados na Unidade de Internamento e Convalescença de Cabeceiras de Basto é garantida por uma equipa multidisciplinar da área de saúde: médico, enfermeiro, fisioterapeuta, outros técnicos e assistentes operacionais (auxiliares de ação médica) e da área da ação social determinada pela natureza dos cuidados a prestar, tendo em conta que se destinam, particularmente, à reabilitação e rápida reintegração dos utentes no seu meio de vida em condições da maior autonomia possível.

Com cuidados de saúde prestados com qualidade, conforto e proximidade dão-se passos significativos para a rápida recuperação do utente e para o aumento da sua qualidade de vida e do seu bem-estar, cumprindo-se assim os objetivos que estiveram na origem da criação desta Unidade Pública de Internamento e Convalescença de Curta Duração de Cabeceiras de Basto.

Um processo difícil
e muito demorado

O processo de criação e construção que envolveu a implementação da Unidade de Internamento foi moroso e muito difícil mas sempre defendido em benefício de todos os cabeceirenses.
O edifício e o serviço da Unidade Pública de Internamento fazem parte de um processo controverso que se desenvolveu com muita desinformação à mistura e que tem mais de uma dezena de anos. Obrigou a tomadas de posição empenhadas e muito firmes da Câmara e da Assembleia Municipal de Cabeceiras de Basto, dos presidentes de Junta e outros autarcas de freguesia, mas também a uma grande mobilização das populações e da opinião pública, com manifestações de rua, para que hoje fosse possível ter a funcionar este serviço público de internamento no sector da saúde, tão importante para a vida das pessoas.

Com a inauguração em julho de 2010 e com os excelentes serviços prestados na Unidade Pública de Internamento e Convalescença de Curta Duração e com a satisfação expressa pelos doentes e familiares que têm passado por esta Unidade, podemos constatar e concluir que se ganhou numa aposta muito importante na defesa intransigente dos superiores interesses dos cidadãos Cabeceirenses e de um Serviço de Saúde Público que valeu a pena.

Certamente que a população de Cabeceiras de Basto ficará eternamente grata a todos os que contribuem para a existência deste serviço de saúde e está muito reconhecida a todas as pessoas que lá trabalham e que com muita dedicação, empenho e carinho, tratam e cuidam dos utentes que aí têm sido internados e que não se cansam de elogiar os profissionais que estão ao serviço desta Unidade de Internamento de Cabeceiras de Basto.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.