Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 07-05-2012

SECÇÃO: Informação

Associação Nacional de Municípios reuniu com presidentes de Câmara e técnicos do Norte do país em Cabeceiras de Basto

O Presidente da Câmara, Engº Joaquim Barreto deu as boas vindas aos autarcas do Norte de Portugal
O Presidente da Câmara, Engº Joaquim Barreto deu as boas vindas aos autarcas do Norte de Portugal
O Município de Cabeceiras de Basto recebeu no passado dia 19 de abril os presidentes/representantes das 86 Câmaras Municipais do Norte do país, dirigentes e técnicos da área financeira, um encontro promovido pela Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), que tem encetado um conjunto de reuniões descentralizadas no sentido de informar os Municípios sobre o desenvolvimento das conversações com o Governo.
A reunião que decorreu à porta fechada, no Auditório Municipal Ilídio dos Santos, com os presidentes de Câmaras Municipais, teve como principal objetivo a análise da Lei n.º 8/2012 de 21 de fevereiro sobre a Assunção de Compromissos e Pagamentos em Atraso das Entidades Públicas.
Na sessão de abertura desta reunião promovida pelo Conselho Diretivo da Associação Nacional de Municípios, o presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Eng.º Joaquim Barreto, manifestou o seu regozijo e honra por acolher esta reunião, elogiando o trabalho que tem sido desenvolvido pela ANMP em prol da valorização do poder local.
Na sua intervenção, Joaquim Barreto salientou o apoio dado aos Municípios pela Associação Nacional no âmbito do QREN, na defesa dos serviços no interior do país e no âmbito da proposta de lei sobre a agregação de freguesias.
ANMP reuniu em Cabeceiras com técnicos de várias Câmaras
ANMP reuniu em Cabeceiras com técnicos de várias Câmaras
Depois de agradecer a disponibilidade e hospitalidade de Cabeceiras de Basto, o presidente da ANMP, Dr. Fernando Ruas, destacou a importância do poder local como poder de proximidade, reafirmando que as autarquias vivem hoje numa situação de “asfixia”, devido “à crise do país, aos sucessivos cortes financeiros às autarquias, ao aumento das responsabilidades sociais dos municípios”, entre outros fatores.
“Defender o poder local é defender o cidadão”, disse Fernando Ruas, considerando que “a evolução da Lei dos Compromissos é notória”.
No que toca ao encerramento das empresas municipais, Ruas deixou claro: “queremos que o setor empresarial local seja transparente e eficaz, que ajude a atividade municipal e não a denegrida”.
Esta mesma Lei n.º 8/2012 de 21 de fevereiro sobre a Assunção de Compromissos e Pagamentos em Atraso das Entidades Públicas esteve também em discussão e análise na tarde do dia 19 de abril, no Salão Multiusos do Mercado Municipal, onde centenas de dirigentes e técnicos municipais da área financeira se reuniram.
Durante a sessão, o Secretário-geral da Associação Nacional de Municípios Portugueses, Eng.º Artur Trindade, apelou aos técnicos para “não entrarem em pânico” pois “o vosso empenhamento é fundamental”.
Afirmando que os Municípios vivem “momentos extremamente difíceis”, Artur Trindade considerou o exemplo do Município de Cabeceiras de Basto “um modelo para o país”.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.