Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 07-11-2011

SECÇÃO: Informação

Norberto Ferraz lança livro ‘Solidariedades na Misericórdia de Cabeceiras de Basto 1877- 1930’

O Cabeceirense Norberto Tiago Ferraz procedeu no dia 22 de Outubro, ao lançamento do livro ‘Solidariedades na Misericórdia de Cabeceiras de Basto, 1877-1930’, encerrando desta forma a Semana da Educação que decorreu de 17 a 22 de Outubro, em diferentes ‘palcos’ culturais concelhios envolvendo a comunidade educativa e a população em geral.

Autor autografou obras no final da cerimónia
Autor autografou obras no final da cerimónia
Perante autarcas, convidados, familiares e amigos, que se deslocaram ao Auditório Municipal Ilídio dos Santos, o jovem autor cabeceirense, apresentou editado em obra aquele que foi o trabalho desenvolvido no âmbito do seu Mestrado, abordando um espaço temporal pouco estudado em Portugal sobre a história das Misericórdias. Um trabalho que se desenvolve em cinco capítulos, ao longo dos quais o autor faz uma apresentação geral do concelho e os motivos que levaram à fundação desta instituição, onde à época eram praticamente inexistentes as condições de assistência médica à população mais pobre do concelho. Perante este cenário, as elites sociais, políticas, económicas e eclesiásticas decidiram levar avante este projecto e fundar a instituição o que veio a acontecer em 1877. Após organização interna, com a aprovação da mesa, a definição e angariação de ‘irmãos’ - beneméritos ou efectivos - e o apuramento das receitas, foi inaugurado em 1896 o Hospital da Misericórdia, destinado a acolher e tratar os mais pobres, nomeadamente caseiros, criados e jornaleiros. Também os ‘irmãos’ tinham acesso à prestação de cuidados, sendo que o estatuto social que detinham ‘condicionava’ o seu interesse em ali serem tratados. Na sua investigação, o autor, aflora ainda o papel das mulheres, as despesas e as receitas desta instituição considerada humilde, mas apresentando uma significativa taxa de sucesso. Norberto Ferraz refere também os efeitos da mudança de regime e o seu impacto na organização da instituição, assim como o impacto da 1ª Guerra Mundial no seu funcionamento.

Contributos
para o conhecimento
da história local

O autor revelou que este foi um trabalho que desenvolveu com muito agrado, que lhe permitiu conhecer e trazer à luz o meio sócio-económico vivido em Cabeceiras de Basto neste período temporal que medeia 1877 e 1930, desvendando desta forma as vicissitudes e práticas sociais registadas à época, nomeadamente no que à prestação de cuidados de saúde diz respeito e o seu impacto na sociedade civil.
A cerimónia foi presidida pelo edil Cabeceirense, Engº Joaquim Barreto, a que se associou também o representante da Assembleia Municipal, Prof. Mário Machado, o vereador da Cultura, Dr. Domingos Machado, o Presidente da Junta de Freguesia de Refojos, Francisco Alves e a Provedora da Santa Casa da Misericórdia, Profª Natália Correia, que na oportunidade se encarregou de fazer uma breve apresentação da obra, realçando a sua importância numa época onde eram praticamente nulas as instituições de solidariedade social, ao contrário dos tempos actuais onde as parcerias encetadas entre vários agentes garantem um maior número de repostas à população.
Por sua vez, o vereador da cultura, Dr. Domingos Machado, enalteceu o trabalho desenvolvido por este jovem autor cabeceirense, que se traduz no segundo livro editado. O seu rigor metodológico e o acesso directo às fontes permite-lhe apresentar trabalhos que ajudam a desvendar e a melhor conhecer a história local e os seus ‘protagonistas’ ao longo dos tempos.
No uso da palavra o Presidente da Câmara, manifestou uma vez mais a satisfação pela edição de várias obras de autoria de cabeceirenses, neste caso a segundo do autor que em 2010 havia publicado também e sob a égide da Autarquia o livro ‘Cabeceiras de Basto: do fim da Monarquia ao 28 de Maio de 1926’. São obras que abordam diferentes temas, muitos deles directamente relacionados com a realidade local, cuja publicação vai registando o modus vivendi deste povo de Basto ao longo dos tempos, revelando-se, por isso, importantes contribuitos para a história concelhia.
Após felicitar o autor pelo trabalho que desenvolveu ao abordar cerca de 50 anos de ‘vida’ da Misericórdia, fazendo a relação entre os poderes económicos, sociais e políticos e traçando uma radiografia da época, o autarca agradeceu a todos os que directa ou indirectamente, com as suas acções ajudam a desvendar e a construir a história local.
Uma vez terminada a cerimónia do lançamento de livro, seguiu-se uma actuação musical promovida por cinco jovens da Banda Cabeceirense que ao som de saxofones, requintas e trompetes proporcionaram ao público presente agradáveis momentos.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.