Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 02-05-2011

SECÇÃO: Opinião

Recordações por Alexandre Teixeira

foto
s conselhos dos mais velhos
Rejeitei-os não os quis
Disse adeus à minha terra
Julgando ser mais feliz

Depois na cidade grande
Onde a maldade campeia
Voltei de novo a chorar
Saudades da minha aldeia

Fui para a casa dum primo
A quem dava o que ganhava
Ele gostava da pinga
Mas nunca me maltratava

Eu era provinciano
Como qualquer Zé Maria
Para ganhar uns tostões
Qualquer trabalho servia

Fiz garrafas pintei loiça
Fui ourives fui caixeiro
Eram trabalhos honestos
Que davam algum dinheiro

É a vez de minha mãe
Deixar sua terra querida
Leva os filhos p’ra cidade
Para lhes dar melhor vida

E cada um quando pode
Começou a trabalhar
Para sustentar a casa
Em terras de Gondomar

Sei lá quantos sacrifícios
A minha mãe suportou
Com marido ausente
Os oito filhos criou

Tinha outras ambições
Apesar de estar contente
Quando o meu pai me chamou
Fui p’ra outro continente

Com os olhos marejados
A voz cheia de emoção
Disse adeus a meus irmãos
Levei-os no coração

Adeus minha boa mãe
Um longo abraço entre os dois
A quem só voltei a ver
Vinte e tal anos depois

Adeus Porto adeus Ribeira
Adeus serra do Pilar
Vou-me embora vou p’ra longe
Não sei quando vou voltar

(Continua)

Por: Alexandre Teixeira

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.