Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 11-04-2011

SECÇÃO: Informação

Cabeceiras de Basto acolheu celebrações do Dia Nacional do Combatente e da Batalha de La Lys

Joaquim Barreto presidiu às comemorações junto ao Monumento ao Combatente, na Rotunda dos Combatentes


O presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Eng.º Joaquim Barreto, presidiu no dia 9 de Abril, às comemorações do 93.º aniversário do Dia Nacional do Combatente e da Batalha de La Lys, uma celebração que culminou com a deposição de coroas de flores junto ao Monumento ao Combatente, na Rotunda dos Combatentes, nesta vila de Cabeceiras de Basto.
O programa teve início com a celebração da missa em sufrágio pelos ex-combatentes na Igreja do Mosteiro de S. Miguel de Refojos, seguindo-se a homenagem aos ex-combatentes que tombaram durante a Batalha de La Lys.

Momento de silêncio
Momento de silêncio
A iniciativa organizada pela Liga dos Combatentes – Núcleo Regional de Braga em parceria com a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, contou ainda com a colaboração do RC6 (Regimento de Cavalaria) de Braga.
À cerimónia associaram-se as autoridades civis, militares e religiosas, instituições e Autarquias do Município Cabeceirense, bem como familiares, amigos, ex-combatentes e população em geral.
No decorrer das habituais alocuções alusivas à efeméride, o presidente do Núcleo de Braga da Liga dos Combatentes, Coronel Amado Vareta, deixou uma palavra de reconhecimento ao presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, que “conhece muito bem os militares, compreende a sua missão e respeita a sua condição”.
E acrescentou: “somos conhecedores e directos beneficiários das inúmeras provas de consideração e amizade que as FFAA e o Exército têm beneficiado e essa é indubitavelmente a principal razão que nos leva, ciclicamente, a regressar às Terras de Basto para comemorar a Batalha de La Lys”.
Na sua intervenção, o Coronel lembrou as batalhas, a valentia e coragem dos militares e a dor das famílias que aí perderam os seus entes queridos.
“Devemos aprender com a solidariedade das trincheiras que a hora é de união para resistirmos aos ventos adversos”, destacou o presidente do Núcleo de Braga da Liga dos Combatentes afirmando que “é o respeito por eles, pela suprema entrega aos seus deveres para com a Pátria e pelo sacrifício da sua própria vida que hoje aqui estamos”.
E terminou: “Cabeceiras de Basto mais uma vez se dispôs a prestar tributo aos combatentes. Como sempre, as gentes de Basto honram a sua terra, homenageiam os seus soldados, admiram os seus combatentes, servem Portugal”.
Joaquim Barreto deposita coroa de flores
Joaquim Barreto deposita coroa de flores
Depois de saudar todos os presentes, o presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto falou da relação de cooperação e respeito para com a instituição militar, referindo que “estamos a prestar um serviço aos cidadãos e aos militares”.
Elogiando o “grande humanismo e solidariedade” incutido pelas Forças Armadas nos seus militares, Joaquim Barreto manifestou “todo o respeito do Município pela instituição militar”, explicando que a atitude da Liga dos Combatentes em organizar as comemorações em Cabeceiras de Basto é entendida como o reconhecimento por todo esse respeito para com os combatentes e instituições militares.
Ao recordar a Batalha de La Lys, a organização está a lembrar uma das mais estrondosas derrotas sofridas pelas tropas portuguesas, que se constituiu a maior catástrofe militar para o país depois da batalha de Alcácer-Quibir, em 1578. Sete mil e quinhentos homens, entre mortos, feridos, desaparecidos e prisioneiros, ou seja, mais de um terço dos efectivos entre os quais 327 oficiais, foi o resultado desta expedição portuguesa aquando da Primeira Guerra Mundial.
A Batalha de La Lys deu-se entre 9 e 29 de Abril de 1918, no vale da ribeira de La Lys, sector de Ypres, na região da Flandres, na Bélgica.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.