Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 21-03-2011

SECÇÃO: Informação

Festa da Orelheira e do Fumeiro de Cabeceiras de Basto foi um verdadeiro sucesso

Milhares de pessoas na abertura do certame
Milhares de pessoas na abertura do certame
Encerrou no dia 7 de Fevereiro, com um balanço muito positivo, a 15.ª edição da Festa da Orelheira e do Fumeiro de Cabeceiras de Basto, uma iniciativa organizada pela Câmara Municipal e pela Emunibasto.
Durante o certame, que decorreu no Pavilhão Desportivo de Refojos, gerou-se um volume de negócios na ordem dos 150 mil euros, fruto da venda de 15 toneladas de produtos derivados de porco bísaro.
Pelo recinto da Festa da Orelheira e do Fumeiro passaram dezenas de milhar de pessoas, que não perderam a oportunidade de se deliciarem na tasquinha/restaurante, onde, durante três dias, foi servida a orelheira e o fumeiro, acompanhados pela broa, doces e vinhos verdes da região de Basto.
Expositores escoaram os produtos
Expositores escoaram os produtos
“Mesmo estando num ano economicamente difícil, em termos de vendas, a Festa da Orelheira e do Fumeiro correu muito bem”, assegurou a vogal do Conselho de Administração da Emunibasto, Dra. Fátima Oliveira.
O dia de domingo “excedeu todas as expectativas da organização, quer em termos do espaço interior, quer exterior”, referiu a responsável, afirmando que “o programa cultural foi uma aposta ganha”.
Para além dos stands de fumeiro, a feira contou com expositores de artesanato (lã, alfaias agrícolas, linho, entre outros artigos manufacturados), vinho, mel, compotas e doces regionais, aos quais se associaram quatro instituições concelhias ligadas ao desenvolvimento rural e dois produtores agrícolas.
De acordo com Fátima Oliveira, “todos se mostraram bastante satisfeitos com as vendas”.

Maria da Graça Ribeiro, de Pedraça, Cabeceiras de Basto, veio pela primeira ao certame e a participação não podia ter corrido melhor.
“Vou daqui muito satisfeita porque o meu salpicão e a minha chouriça ficaram em primeiro lugar no Concurso de Fumeiro de Basto. Vendi bem de tudo, mas em mais quantidade foram as chouriças e as alheiras por isso o balanço desta festa é muito bom”, disse a produtora de fumeiro, salientando que “é necessário muito trabalho mas valeu a pena”.
Maria José Pires, de Atilhó, Boticas, também se mostrou entusiasmada com a 15.ª Festa da Orelheira e do Fumeiro de Cabeceiras de Basto.
Leilão de Orelheiras foi muito participado
Leilão de Orelheiras foi muito participado
“O domingo à tarde foi muito bom em termos de público e de vendas. A feira da orelheira e do fumeiro está muito bem preparada e o pessoal da organização não podia ser melhor. Não deixaram faltar nada”, reparou Maria José Pires que foi a vencedora do melhor fumeiro no IV Concurso do Fumeiro de Basto.

IV Concurso do Fumeiro de Basto
Produtores satisfeitos com as vendas
Produtores satisfeitos com as vendas

O quarto concurso de fumeiro foi organizado pela Delegação Regional do Ave da Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAPN) em conjunto com a Câmara Municipal e Emunibasto.
Entre os elementos do júri estiveram representantes da DRAPN, da Confraria Panela ao Lume e da Escola Superior Agrária de Ponte de Lima.
Actuação do Grupo Folclórico de Viana do Castelo
Actuação do Grupo Folclórico de Viana do Castelo
Ao concurso do salpicão apresentaram-se 23 produtores e ao concurso da chouriça 27 participantes.

Certame revelou dinamismo sócio-económico concelhio
As quatro vencedoras do concurso
As quatro vencedoras do concurso

“A 15.ª edição da Festa da Orelheira e do Fumeiro de Cabeceiras de Basto valeu a pena e o saldo é muito positivo”, confirmou o presidente da Câmara Municipal, Eng.º Joaquim Barreto.
“Houve público, houve muita animação e negócios, o que demonstra que este certame é revelador do grande dinamismo económico, social e cultural do concelho de Cabeceiras de Basto”, acrescentou, garantido que “a festa foi um verdadeiro sucesso e para o ano há mais”.
A organização da Festa da Orelheira e do Fumeiro de Cabeceiras de Basto é, assim, o resultado de uma estratégia envolvente definida pelo Município, que conta entidades locais na valorização dos produtos genuínos desta terra.
A produção artesanal do fumeiro contribui, igualmente, para salvaguardar todo este património gastronómico, que associado ao artesanato e à riqueza do mundo rural, pode representar novas e empreendedoras oportunidades laborais sobretudo para uma camada mais jovem da população que tem vindo a aderir a este projecto.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.