Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 19-04-2010

SECÇÃO: Informação

Rio Peio

Rio Peio já velhinho,
Não conhece a saudade.

Minha mulher, meu filho, meu irmão Jaime e meus sobrinhos, em nosso Rio, Cabeceiras de Basto. (Hena pá), com tanta riqueza, sou muito rico com certeza
Minha mulher, meu filho, meu irmão Jaime e meus sobrinhos, em nosso Rio, Cabeceiras de Basto. (Hena pá), com tanta riqueza, sou muito rico com certeza
Vai seguindo seu caminho,
Sempre em pura mocidade.

Produz eletricidade,
Rega campos, dá bebida.
Seu peixe tem qualidade,
Seu leito transporta vida.

Sua água transparente,
Faz seu leito luzidio.
Refrescando tanta gente,
Tem valor o nosso rio.
Caminhando sorridente,
Seu desejo é servir mais.
Até diz estar contente,
Com as praias fluviais.

Seu destino é alto mar,
P’ra trás não pode voltar,
Mas o bem não esqueceu.

É tão rica a natureza,
E ele volta com certeza,
A nascer onde nasceu.

António Gonçalves - Peniche

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.