Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 04-01-2010

SECÇÃO: Informação

Antigo Ciclo afinal vai ter também um novo Pavilhão Desportivo
Vereadores do PSD votaram contra

Na sequência da implementação da política de renovação do Parque Escolar Nacional, que o Governo Português iniciou no ano 2008, e que contemplava a intervenção prioritária na EB 2,3 de Cabeceiras de Basto, foi celebrado um acordo entre a Direcção Regional de Educação do Norte e a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto para a substituição integral daquela Escola Básica, antigo Ciclo, no Campo do Seco.

Pavilhão Desportivo vai ser em breve substituído
Pavilhão Desportivo vai ser em breve substituído
Com um investimento de quatro milhões de euros, a obra iniciou-se em Junho do ano passado e deverá estar concluída no próximo Verão, a tempo de se iniciarem nas novas instalações as aulas do ano lectivo 2010/2011.
Esta grande intervenção vai dotar o concelho de uma Escola Básica de nova geração com todas as condições de qualidade e modernidade para o ensino e para o sucesso da aprendizagem.
Mas não estava prevista a substituição do antigo Pavilhão Desportivo, apenas uma pequena limpeza e pintura. Ora, na visita que o Primeiro-Ministro efectuou às obras daquela escola, em Agosto último, e verificando que o referido Pavilhão merecia também uma grande intervenção, foi o próprio José Sócrates que determinou à DREN que encontrasse uma solução para a execução da necessária remodelação. O caminho seguido foi a celebração de um acordo entre aquela Direcção Regional e a Câmara Municipal que estabeleceu as formas de financiamento e as responsabilidades de cada parte.
Assim, a autarquia Cabeceirense, enquanto dona da obra, na reunião do executivo municipal do passado dia 18 de Dezembro, deliberou aprovar a abertura de um ajuste directo para a empreitada de construção do referido Pavilhão. Esta deliberação mereceu os votos favoráveis dos Vereadores do PS tendo os Vereadores do PSD votado contra este procedimento.
Ora, o recurso ao ajuste directo está legalmente autorizado e surgiu na sequência da aprovação de um Plano de relançamento das economias europeias, aprovado pelo Conselho da Europa, em virtude da grave crise mundial, uma vez que desta forma permitiu aos Estados Membros a mais rápida execução de projectos públicos.
Por isso, tratando-se de uma obra urgente e necessária para bem da comunidade educativa – crianças, encarregados de educação, funcionários e professores, foi com estranheza que o Partido Socialista viu o voto contra do PSD, relatou ao Ecos do Basto uma fonte do PS de Cabeceiras de Basto.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.