Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 23-11-2009

SECÇÃO: Opinião

O NATAL: UM PRESENTE, UM SORRISO

foto
São inúmeras as formas de celebrar o Natal, uns celebram com mais alegria e abundância, outros com mais tristeza.
Por aqui, pelo Concelho de Cabeceiras de Basto, o Natal já chegou há algumas semanas. A necessidade de pensar nos presentes que iremos oferecer, faz com que se pense na época com muita antecedência. Muitas vezes, quando chega o 25 de Dezembro, já estamos todos um pouco cansados das árvores de Natal, das iluminações, do presépio, dos presentes a fingir, dos Pais Natais, enfim, de todos os símbolos cristãos ou pagãos que nos transportam para a data. Contudo, o Natal é muito mais do que isso.
A época tem o poder de reunir famílias, de atenuar divergências, de nos fazer sorrir para o outro, de pensarmos que podemos construir um Mundo melhor: é disso que quero falar, desse tempo que tiramos das nossas vidas para dedicarmos aos outros, nem que seja quando lhes desejamos boas-festas. Um tempo que muitas vezes não temos, ou pensamos que não dispomos, porque somos atropelados pelos acontecimentos das nossas vidas. Sem tempo para pensarmos nos outros.
foto
Gostava de deixar aqui uma mensagem bonita e tocante. No entanto, não consigo fazê-lo como gostaria, porque não posso fazer de conta que o Natal é igual para todos. É um facto. Uns terão abundância na ceia, outros não. Uns irão receber melhores presentes, outros vão apenas sonhar com aquilo que gostariam de ganhar enquanto recebem uma insignificância. Muitos sentirão saudade de outros Natais, daqueles em que ainda tinham todos os que amam presentes; outros irão celebrar a chegada de um novo elemento à família. São inúmeras as formas de celebrar o Natal, uns com mais alegria e abundância, outros com mais tristeza. Haverá mesmo quem não o celebre. No entanto, penso que, se pudermos sorrir, se até ao dia de Natal não nos esquecermos dos que amamos hoje, podemos sentir que oferecemos o melhor presente que podemos dar ao outro: a nossa atenção valerá tudo na vida.
Não posso deixar de referir aqueles que sofrem nos hospitais, os pobres sem alegria, os idosos que nesta época Natalícia são abandonados nas urgências dos hospitais pelos seus familiares dando moradas falsas, desligam os telefones para não serem incomodados. Considero esta situação uma crueldade sem explicação.
A todas estas pessoas e àqueles que puderem passar esta festa em harmonia desejo um Santo e Feliz Natal.

Por: Manuel Sousa

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.