Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 06-04-2009

SECÇÃO: Informação

A Floresta como espaço de futuro
Cabeceiras de Basto dedica Semana à Floresta, ao Cabrito e ao Anho

Provas com cavalos são do agrado popular
Provas com cavalos são do agrado popular
Realizou-se em Cabeceiras de Basto, de 17 a 22 de Março, mais uma edição da Semana da Floresta, do Cabrito e do Anho. Uma iniciativa que integrou a plantação de árvores nos Parques Florestais – Floresta Verde, localizados nas freguesias de Refojos, Vila Nune e Cabeceiras de Basto – S. Nicolau. Um acção que envolveu os alunos do 2º Ciclo, dos Agrupamentos de Escolas de Refojos e de Arco de Baúlhe, bem como da Fundação A J. Gomes da Cunha, que ali se deslocam para proceder à retancha (substituição) das árvores plantadas no ano anterior. Esta iniciativa, tal como no ano anterior, teve como objectivo, uma vez mais sensibilizar e educar para a necessidade de preservação e promoção do uso múltiplo da floresta.

Florestas verdes

Recorde-se que o ano passado foram criados dois parques florestais com 10.000m2 cada, resultante de uma parceria estabelecida, pelo período de 25 anos, entre a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, os Conselhos de Baldios de Refojos e de Vila Nune, os agrupamentos de escolas de Arco e de Refojos e a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Cabeceirenses, tendo em vista criar duas “Florestas Verdes”, destinadas ao desenvolvimento de actividades de gestão, promoção, valorização e defesa da floresta, através quer da realização de trabalhos de povoamento e repovoamento florestal, gestão, estudos e acções de sensibilização da comunidade para a importância da floresta. Um Parque Florestal – Floresta Verde, foi igualmente implementado em Cabeceiras de Basto – S. Nicolau, desta feita com o apoio da Junta de Freguesia local.
Corridas de galgos ganha adeptos
Corridas de galgos ganha adeptos
Além da plantação de árvores, foram igualmente realizadas outras actividades lúdicas e de sensibilização que tiveram como cenários o Centro de Educação Ambiental e o Centro Hípico de Cabeceiras de Basto. Destacaram-se as visitas guiadas, as demonstrações de equitação e as actividades desportivas – desportos radicais, dinamizados com a colaboração do Regimento de Cavalaria nº 6 de Braga. A semana dedicada à floresta, ao cabrito e ao anho, envolveu cerca de 1663 alunos provindos do 1º e 2º ciclo, do pré-escolar e também da Fundação A J Gomes da Cunha, a que se associou a população em geral que durante a iniciativa particicou nos distintos actos constantes do programa deste evento.

«A Floresta e os seus usos múltiplos»

No dia 18 de Março, abriu ao público a exposição «A Floresta e os seus usos múltiplos», que decorreu no Centro Hípico. Vinte e três stands integraram, este certame que contou com a presença de vários expositores, entre os quais associações ligadas ao desenvolvimento rural e ao sector florestal, bem como produtos locais e raças autóctones.
A Plantação de árvores mobilizou centenas de alunos
A Plantação de árvores mobilizou centenas de alunos

Concursos e promoção gastronómica

No dia 21 de Março, a jornada começou com a realização II Concurso de Raças Autóctones (ovinos, caprinos e galináceos), no Centro Hípico, onde decorreu também, a II Grande Corrida de Galgos. O «Julgamento do Pilha Galinhas», subiu ao palco do Auditório Municipal Ilidio dos Santos. Uma comédia teatral levada à cena pelo Grupo deTeatro RÉCITA, de Guimarães, que atraiu numeroso público.
A promoção gastronómica do cabrito e do anho, outra das acções previstas no programa da Semana da Floresta, aconteceu nos dias 21 e 22 de Março, em vários restaurantes aderentes.
Além da exposição «A Floresta e os seus usos múltiplos» e a promoção gastronómica, realizou-se um concurso de Atrelagem com Cavalos, assim como, uma popular Corrida de Jumentos, iniciativas bem do agrado popular que despertaram o interesse de centenas de pessoas ali presentes, encerrando desta forma a Semana da Floresta, do Cabrito e do Anho.
De referir que esta iniciativa foi organizada pela Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto e pela Emunibasto, com o apoio dos Agrupamentos de Escolas do Concelho; Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Cabeceirenses; Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte - Centro de Informação Europe Direct de Entre Douro e Minho; Autoridade Florestal Nacional; AMIBA; APACRA; Clubes da Floresta; Mútua de Basto/Norte; Grupos de Baldios; Associação de Caça e Pesca de Gondiães; APACRA – Associação Portuguesa de Criadores de Bovinos, Raça Galega/Minhota

Floresta, espaço de futuro

Cabeceiras de Basto tem uma extensa mancha florestal, sendo que mais de dois terços do seu território apresenta aptidão florestal. Um sector, cuja riqueza pode vir a ter um papel preponderante no desenvolvimento económico do concelho, através da optimização do aproveitamento das suas potencialidades para a produção de madeiras e para outros fins de utilização múltipla, nomeadamente turísticos, recreativos, desportivos, culturais, formativos e de lazer. Para a Autarquia Cabeceirense, a Floresta apresenta-se como um espaço de futuro, que deve ser preservado e promovido, motivo pela qual há mais de uma década dedica uma semana à floresta, ao seu uso múltiplo e às inúmeras potecialidades que este sector – importante fonte de riqueza – constitui.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.