Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 16-03-2009

SECÇÃO: Informação

Câmara e Autoridade Florestal Nacional assinam protocolo de colaboração

Com o intuito de promover o uso múltiplo da floresta, a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto aceitou gerir por trinta anos, parte do património edificado neste concelho, pertença da Autoridade Florestal Nacional.

Uma das casas florestais que passará a ser gerida pela Câmara Municipal
Uma das casas florestais que passará a ser gerida pela Câmara Municipal
Preservar os edifícios devolutos e promover actividades em prol da defesa e da valorização da floresta e dos espaços de montanha, permite reforçar o projecto de desenvolvimento estratégico, integrado e sustentado, que o Município definiu para Cabeceiras de Basto no âmbito do aproveitamento das potencialidade e dos recursos endógenos deste concelho.

O executivo municipal decidiu celebrar um protocolo de gestão, pelo período de 30 anos com a Autoridade Florestal Nacional, tendo em vista a gestão do seu património existente neste concelho.
Assim, segundo informação divulgada, no âmbito deste protocolo, que tem como propósito permitir e reforçar a utilização e valorização múltipla dos espaços florestais e de montanha, optimizar e aproveitar as potencialidades e o alcance das medidas de prevenção e protecção da floresta contra todo o tipo de agressões, a Autoridade Florestal Nacional cede à Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, património existente neste concelho, nomeadamente, o Parque Urbano Florestal, situado na vila de Cabeceiras de Basto; a Casa de Guarda-Florestal de Torneiro e respectivos logradouros anexos, situados na freguesia de Gondiães, perímetro florestal da Serra da Cabreira; a Casa de Guarda-Florestal da Veiga, localizada em Bucos; a Casa de Guarda-Florestal de Toninha, na freguesia de Riodouro; a Casa de Guarda-Florestal de Rabiçais, na freguesia de Cavez; a Casa de Guarda-Florestal de Vinha de Mouros e logradouros anexos localizados na freguesia de Refojos; a Casa Florestal de Moinhos de Rei e o Posto de Fomento Cinegético, em Abadim.

Desenvolver projectos de valorização do espaço florestal


Por sua vez, a Câmara Municipal ficará responsável pela utilização das instalações e espaços cedidos, tendo em vista aí desenvolver projectos e acções que tenham como finalidade a valorização e a preservação do espaço florestal, o acolhimento de grupos, a promoção e interpretação ambiental, a animação do espaço florestal, a educação agro-florestal, o desenvolvimento de iniciativas ligadas à caça e à pesca, bem como, a preservação de habitats e de espécies.
Recorde-se que já em 1998, a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto tinha assinado um protocolo de colaboração com a então Direcção Regional de Agricultura de Entre Douro e Minho que visava a cedência pelo período de dez anos, das Casas Florestais de Torneiro, Toninha e Rabiçais, edifícios que foram alvo de beneficiação e dinamização. Em 2006, foi igualmente celebrado um protocolo de cooperação entre a Autarquia Cabeceirense e a Direcção Geral dos Recursos Florestais/Circunscrição Florestal do Norte, destinado à gestão do Posto de Fomento Cinegético de Moinhos de Rei, por igual período de dez anos, tendo em vista a recuperação e a valorização deste património edificado existente no concelho, na sua maioria devoluto.

Promover o uso múltiplo da floresta

Com a assinatura do protocolo agora aprovado, a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, renova as parcerias anteriormente estabelecidas, dilatando a sua gestão no tempo e dando continuidade a um plano de desenvolvimento em curso, que se espera impletementar através de um conjunto diversificado e integrado de acções tendo em vista a defesa, a promoção e a valorização da floresta, a dinamizar, nomeadamente através do Gabinete de Apoio Técnico Florestal Municipal.
Incentivar o uso múltiplo da floresta e fomentar a importância económica, cultural e social que esta representa para a região, é um dos objectivos há muito definidos por este executivo que ao longo dos anos tem vindo a promover acções diversificadas e a criar condições para a valorização e a promoção das zonas de montanha e o desenvolvimento sustentável deste concelho.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.