Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 29-09-2008

SECÇÃO: Reportagem

Cortejo Etnográfico apresentou «novas roupagens do património»

Para além dos festejos e da feira que, de 20 a 30 de Setembro, atrairam a Cabeceiras de Basto milhares de forasteiros, o S. Miguel integrou a realização de um cortejo etnográfico, subordinado ao tema “Novas roupagens do património” que no dia 27, percorreu os principais arruamentos desta vila. Vinte e quatro carros alegóricos provenientes das dezassete freguesias do concelho, apresentaram ao numeroso público aquilo que de mais genuíno se faz nestas terras. “Os moinhos”, construídos no reinado de D. Dinis e que incentivaram o desenvolvimento da moagem foram apresentados por Abadim; “A evolução do trabalho industrial na área dos têxteis” apresentou-se por Alvite sob o olhar dos maquinismos que produzem os têxteis nesta freguesia; “A erguida do pau da bandeira” em honra de Nª Senhora dos Remédios, foi a tradição seleccionada pela freguesia de Arco de Baúlhe, uma festa pagã, muito antiga que pretende pedir a protecção para as pessoas e para o novo ano agrícola; “O linho no tear” e a “desfolhada” serviram de mote para a freguesia de Basto; “O ciclo da lã” e o Jogo do Pau, foram apresentados por Bucos; “O ciclo do pão” e o folclore, representam a freguesia de Cavez; “O processo de fabricação caseira do pão” chegou-nos da Faia. De Gondiães, veio a tradicional “Festa das Papas”; De Outeiro, “Os Sapateiros”; A freguesia de Painzela apresentou “A malhada”; de Passos vieram as actividades das colheitas e apanha da uva e do milho; de Pedraça o ciclo do “Linho”. Refojos apresentou a construção de uma “Meda de feno”; de Riodouro veio a “Construção de uma meda de lenha”; Vila Nune trouxe-nos “O apeadeiro” e da serrana freguesia de Vilar de Cunhas veio “O serão tradicional de aldeia”. Presente esteve também a Mútua de Basto/Norte, associação com 20 anos de história e que continua a assumir um importante papel no desenvolvimento local e regional, atenta aos novos desafios do mundo rural não apenas de carácter agrícola, mas também social. A sua apresentação incidiu nas principais áreas de intervenção como são, os seguros, a defesa sanitária, o Quadro de Novas Oportunidades e a Floresta, com o olhar atento do pastor e das colheitas.
Usos e costumes de outrora, produtos e potencialidade locais, foram exaltados neste cortejo que teve como objectivo promover e divulgar a cultura popular e etnográfica desta terra de Basto.

Passos
Passos


Pedraça
Pedraça

Refojos
Refojos

Refojos
Refojos

Refojos
Refojos

Arco de Baúlhe
Arco de Baúlhe

Basto (Stª Senhorinha)
Basto (Stª Senhorinha)

Bucos
Bucos

Bucos
Bucos

Cabeceiras de Basto (S. Nicolau)
Cabeceiras de Basto (S. Nicolau)

Cavez
Cavez

Faia
Faia

Gondiães
Gondiães

Painzela
Painzela

Riodouro
Riodouro

Vila Nune
Vila Nune

Vilar de Cunhas
Vilar de Cunhas

Mútua de Basto/Norte
Mútua de Basto/Norte

Bombos da Orada
Bombos da Orada

Abadim
Abadim

Outeiro
Outeiro


































© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.