Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 07-07-2008

SECÇÃO: Recordar é viver

A CULTURA EM PORTUGAL ESTÁ DE LUTO

foto
Morreu o Padre Doutor Santos, grande Maestro e Compositor

Estou estupefacta! Alguém se aproximou de mim e, muito baixinho, quase sussurrando, com a expressão angustiada perguntou-me:
- Sabe quem morreu?
Respondi que não e fiquei logo a tremer a pensar na minha família ou em alguém muito próximo que tivesse morrido de noite e que eu ainda não sabia de nada. Não sei se acontece com toda a gente, mas eu a partir de uma certa idade estou sempre à espera que aconteça alguma desgraça. Penso que isso tem a ver com a idade e com o envelhecimento natural, mas custa a aceitar.
Titubeando lá perguntei a medo:
- Afinal quem morreu?
- Morreu o Dr Santos!
Ainda com uma réstia de dúvida tornei a perguntar:
- O Doutor Santos de Cavez, o nosso antigo Mestre do Coral de Cabeceiras de Basto?
foto
- Sim o Dr Santos da música, de Moimenta!
Fiquei em choque! Vi-o ainda há poucos dias com a habitual aparência e nada nele indicava ao primeiro olhar que tivesse qualquer problema de saúde. Estava como sempre esteve.
Até parecia que os anos não passavam por ele. Nesse momento veio-me à memória o tempo em que participei no Coral de S. Miguel de Refojos, de que o Doutor Joaquim Santos era Maestro.
Nunca me canso de dizer que foi com ele, depois do Padre Apolinário, quando era aluna no Colégio de S. Miguel, que aprendi a cantar com um bocado de disciplina.
Tanta gente que ele ensinou, ao longo destes anos todos. Sinto-me privilegiada por ter pertencido durante algum tempo ao grupo Coral.
Foi um Maestro e Compositor cuja fama e obra chegaram até ao Vaticano, em Roma. O seu nome é conhecidíssimo em Portugal e no estrangeiro. As suas composições são tocadas e interpretadas por orfeões, orquestras e corais.
Só quem assistiu à homenagem que lhe foi feita em Cabeceiras de Basto, no Mosteiro de Refojos, é que pode ver a dimensão da grandeza deste Homem.
Era um Homem de trato simples. Quem com ele privasse verificava que a sua vida se pautava pelo amor à música e pela convivência serena com a família.
Não foi só Cabeceiras de Basto que perdeu um grande compositor, foi também a cultura em Portugal. Muito há a dizer sobre o Padre Compositor e Maestro mas não tenho palavras no meu singelo vocabulário para descrever tal fenómeno! Deixarei essa responsabilidade aos eruditos da música.
Pela minha parte direi:
Obrigada senhor Doutor Padre Joaquim dos Santos por tudo o que fez pela cultura em Portugal e obrigada também pelo que consigo aprendi nos anos do Coral de S. Miguel de Refojos!
Deus o tenha em eterno descanso!
fernandacarneiro52@hotmail.com

Por: Fernanda Carneiro

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.