Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 11-02-2008

SECÇÃO: Informação

Centro Hípico de Cabeceiras de Basto
Promove Equitação com Fins Terapêuticos

foto
O Centro Hípico de Cabeceiras de Basto, aberto ao público em 5 de Agosto de 2006, dispõe de óptimas condições para a prática da equitação, realização de provas, promoção de eventos, entre outras actividades de cariz lúdico, desportivo ou terapêutico, apresentando-se como um equipamento único na região.
Anteriormente divulgadas as actividades lúdicas e desportivas, debruçamo-nos hoje sobre a equitação com fins terapêuticos, cujas aulas decorrem semanalmente naquele espaço e das quais usufruem já algumas crianças e jovens com diferentes dificuldades motoras. Uma valência que se pretende potenciar, abrangendo um maior número de utentes e assim melhorarando a sua qualidade de vida.
Por esse motivo, damos à estampa alguns conceitos e benefícios desta prática que acompanhada tecnicamente e desenvolvida de acordo com planos previamente definidos e ajustados às necessidades de cada utente, será certamente uma mais valia para o seu bem-estar físico e motor.

foto
O cavalo enquanto agente promotor se ganhos físicos, psicológicos e educacionais

Os destinos do cavalo e do homem são inseparáveis. O cavalo assume um valor fundamental na vida do homem e tem tido um papel bastante útil no progresso da humanidade. Este animal tem sido ao longo dos tempos utilizado de diferentes formas e para diversos fins, tais como meio de conquista, de migração, de trabalho, de veneração e de crença, na mitologia, no fabrico de soro e vacina, no lazer e no desporto e, nos dias de hoje, é dado um grande destaque como meio de reabilitação e educação.
Ao falar de cavalos, temos de salientar que a equitação, antes de tudo, é um prazer, um divertido e estimulante desafio, motivado pela relação que se estabelece entre o cavalo e o praticante, pelas gratificações quer pessoais, quer sociais.
Partindo desta premissa base, a equitação terapêutica define-se enquanto método terapêutico e educativo que emprega o cavalo enquanto agente promotor de ganhos físicos, psicológicos e educacionais, no âmbito de uma abordagem interdisciplinar, nas áreas da saúde, educação e equitação, procurando promover o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiência e/ou com necessidades especiais. A prática de equitação com fins terapêuticos é realizada por uma equipa multiprofissional que realiza trabalho interdisciplinar (com tendência à transdisciplinaridade)
foto
Este método terapêutico e educativo tem por objectivo benefícios físicos, psíquicos, educacionais e sociais, dirigindo-se a pessoas portadoras de deficiências físicas ou mentais causadas por lesões neuromotoras de origem encefálica ou medular, patologias ortopédicas congénitas ou adquiridas por acidentes diversos ou disfunções sensório-motoras. Este método pode, ainda, originar benefícios significativos com pessoas portadoras de necessidades especiais, com origem em necessidades educativas especiais ou distúrbios evolutivos, comportamentais e de aprendizagem.

Planear e adequar programas de intervenção

Os programas de intervenção organizam-se de acordo com as necessidades e potencialidades do praticante, tendo em consideração as exigências de cada indivíduo numa determinada fase do seu percurso evolutivo. Assim, o programa definido pode ter intenções especificamente terapêuticas, com recurso a técnicas que visam a reabilitação física e/ou mental, ou constituir-se com fins educacionais e/ou sociais, com recurso a técnicas psicopedagógicas, tendo em vista a (re)integração sócio-familiar. Quanto às áreas de aplicação, consideram-se as seguintes: reabilitação para pessoas com deficiência física e/ou mental; educação, para pessoas com necessidades especiais e outros; social, para pessoas com distúrbios evolutivos ou comportamentais.
O êxito desta terapia centra-se na comunicação que é estabelecida entre o cavalo e o praticante, pelo que a empatia que se origina reflecte-se no aumento da auto-estima e confiança e na melhoria da imagem de si próprio. Para além destas vantagens é de salientar a melhoria da circulação sanguínea e do funcionamento do sistema respiratório; melhoria do equilíbrio, coordenação, lateralidade de postura; aumento da motivação e aprendizagem de novas competências.

Fortalecer as funções psicomotoras do cidadão

Neste método terapêutico, o cavalo é utilizado enquanto instrumento cinesioterapêutico, a terapia assenta no movimento tridimensional do dorso do cavalo, somado aos movimentos multidireccionais. O movimento do cavalo e o contacto com o mesmo, que reproduz com perfeição o andar humano, faz com que o praticante realize movimentos com se estivesse a caminhar, facilitando, assim, a participação do praticante como um todo, contribuindo para o aprimoramento da força muscular, consciencialização corporal e relaxamento. Os deslocamentos da cintura pélvica produzem vibrações nas regiões ósteo-articulares que são transmitidas ao cérebro, via medula, resultando numa melhoria do controle da postura e do equilíbrio, fortalecendo as funções psicomotoras, com impacto positivo na coordenação motora e nos reflexos.

A equitação terapêutica é aconselhada aos seguintes grupos:

No que respeita às indicações deste método terapêutico, é de salientar os seguintes distúrbios ou perturbações: alterações da escrita/linguagem oral; amputações; artrite reumatóide e artroses; autismo; depressões; distúrbios sensoriais: doença de Parkinson; doenças do crescimento; doenças respiratórias; doenças sanguíneas e metabólicas; epilepsia; esclerose múltipla; esquizofrenia; falta de coordenação motora; hidrocefalia, macrocefalia e microcefalia; hiperactividade; lesões medulares; má formação da coluna; necessidades educativas especiais; paralisia cerebral; perturbações do comportamento alimentar; poliomielite; problemas posturais (cifose, lordose e escoliose); traumatismo crânio-encefálico; síndrome de Down; stress, insónia e ansiedade.

É contra-indicada nas seguintes situações:

A equitação terapêutica está contra-indicada nas seguintes situações: alergias; cardiopatias agudas; descontrole intestinal; doenças da medula; epilepsia com crises convulsivas; hemofilia; hipertensão; hipotonias que comprometem a estabilidade das articulações; instabilidade da coluna vertebral; leucemia; luxações do ombro.

Como praticar a modalidade

O atendimento é precedido de um diagnóstico. Os praticantes deverão ser devidamente indicados por um médico, uma vez que a prática deste método terapêutico pode ser indicada ou contra-indicada. Este profissional de saúde será responsável por fornecer todo o tipo de informações de foro clínico à equipa de trabalho, podendo, ainda, integrar a referida equipa. Antes da terapia dar início, deverá ser estabelecido um programa terapêutico destinado ao praticante em questão, no qual é necessário definir-se vários aspectos do processo de intervenção. O praticante é analisado de acordo com as suas especificidades e, mediante as avaliações médicas, é analisada a aptidão ou não para a prática da equitação terapêutica.


Para mais informações consulte:
- http://fep.pt
- http://www.equoterapia.org/

Centro Hípico com valência de Equitação Terapêutica:
Centro Hípico de Cabeceiras de Basto
Vinha de Mouros, Refojos de Basto
4860 Cabeceiras de Basto
Contacto telefónico: 253 661 23

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.