Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 31-08-2007

SECÇÃO: A nossa gente

Fernando Leite Nogueira

foto
Um apicultor premiado

Natural da freguesia de Painzela, Fernando Leite Nogueira, viu recentemente reconhecido o trabalho que resulta de uma paixão antiga herdada do avô, ao vencer o I Concurso de Mel, levado a cabo pela Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte - Delegação Regional do Ave, em Cabeceiras de Basto. As abelhas são o seu «hobby» e é a elas que dedica grande parte do tempo. O mel, esse é um produto «limpo», cheio de propriedades e benéfico à saúde, que o jovem apicultor quer continuar a produzir, em pequenas quantidades, para conseguir manter a qualidade que agora lhe foi reconhecida.
Foi com surpresa e muita satisfação que Fernando Leite Nogueira recebeu o primeiro prémio do Concurso de Mel levado a cabo no âmbito da Festa das Comunidades e dos Produtos Locais pela Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte – Delegação Regional do Ave. Modesto e de trato afável, este apicultor de 39 anos de idade, viu desta forma, reconhecido o fruto de uma paixão que cultiva desde a infância, altura em que acompanhava o seu avô nas visitas que frequentemente fazia aos cerca de seis cortiços de que era proprietário e onde passava muitas horas a ver as abelhas trabalhar.
Volvidos os anos, e com dez colmeias apenas, Fernando Leite Nogueira dedica às abelhas muito do seu tempo. Por elas zela de Verão e de Inverno, garantindo-lhe condições para que possam produzir o mel mais puro, cuja qualidade, há muito apreciada por familiares e amigos, e agora reconhecida, está essencialmente na limpeza aplicada a todo o processo de produção, já que “quem faz o mel, são as abelhas”, confessou ao nosso jornal.
foto
Desafiado a participar no concurso, do qual saiu vencedor entre vinte e um apicultores inscritos provenientes de vários concelhos, Fernando Leite Nogueira que ao longo da vida já passou pela agricultura, construção civil e carpintaria, vê na produção do mel uma fonte de receita, mas lamenta a inexistência de uma cooperativa que sirva de intermediário ao pequeno produtor para a comercialização e a valorização deste produto, que apesar de benéfico e apreciado, exige muito trabalho e dedicação e nem sempre é vendido a justo preço. Por isso, e apesar do prémio alcançado e do incentivo que o mesmo lhe deu, prefere continuar a tratar das suas colmeias de forma dedicada e apaixonada como até aqui e dar condições às abelhas para que continuem a produzir um bom mel, tarefa que considera tão mais difícil quanto maior o número de enxames possuídos.

Mel floral e aromático

De cor acastanhado, o mel produzido por Fernando Leite Nogueira na freguesia de Painzela, mais precisamente em Gragilde onde reside, tem por base as flores dos campos de cultivo. É aromático e muito saboroso e faz parte da ementa diária da família. Os seus três filhos gostam deste produto que cedo aprenderam a distinguir pelo sabor, pelo aroma e pela cor. Produzido ano após ano, é em Julho ou Agosto que o mel é retirado das colmeias. Uma tarefa habilmente realizada por Fernando Leite Nogueira, mas apreciada pela sua filha, cujo gosto pelas abelhas já demonstrou.
foto
Com os «colegas» partilha conversas e recolhe ensinamentos, que vai aplicando no processo de produção, assim como os conhecimentos que vai retirando das inúmeras leituras que faz em torno da apicultura. Este apicultor procura aperfeiçoar-se na arte de tratar as abelhas e produzir o mel. Colocar cera nova, limpar bem as colmeias, fazer-lhe um xarope à base de açúcar e limão para ajudar a passar os Invernos mais agrestes, são alguns dos cuidados que dispensa, mas que considera comuns, uma vez que são do conhecimento de todos os apicultores. Positiva considerou também, a sua participação na recente jornada técnica alusiva ao mel, cuja realização foi apoiada pela Câmara Municipal e durante a qual foram abordados temas como «Legislação Apícola», «Resíduos do Mel» e «Marketing em apicultura», que se revelou de grande interesse e utilidade para os produtores. “Aprende-se sempre alguma coisa”, referiu o apicultor que considera esta região de Basto com boas condições para a produção de mel de qualidade, já que dispõe de uma flora variada e prolongada na Primavera, que tem o seu apogeu com as urzes que florescem nas extensas encostas dos montes e das quais se retira um produto de tonalidade escura e de aroma intenso.
O mel pode ser visto como uma mais valia da floresta, acrescentou. Uma fonte de riqueza e de saúde, já que lhe estão associadas propriedades terapêuticas de que resulta a produção de um manancial de produtos alimentares, medicinais e estéticos. O mel é por tudo isto, um produto completo, garantiu Fernando Leite Nogueira que vai continuar a dedicar o seu tempo livre às abelhas, mantendo vivo o gosto que desde pequeno o contagiou.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.