Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 30-04-2007

SECÇÃO: Opinião

QUAL E QUE FUTURO QUEREMOS PARA O ATLÉTICO CABECEIRENSE?

foto
O Atlético Cabeceirense, foi durante muitos anos um modelo, enquanto aglutinador de convergências e de paixões tremendas, entre todos os Cabeceirenses, residindo estes, entre nós, ou, até em outras zonas do país e no estrangeiro.
Quem não se lembra dos grandes jogadores que o clube teve? Sendo eles pontos de referência, para muitos jovens, que sonhavam mais tarde representar o clube como atletas.
Onde o clube efectuava os seus jogos, levava e elevava com dignidade, o nome da Vila de Cabeceiras de Basto.
O clube atravessa neste momento uma profunda crise (a que a manutenção na 3ª divisão nacional a todo o custo, não será alheia), económica, desportiva e até de dirigismo, por outras palavras, CAMINHA PARA O ABISMO. De quem será a culpa?
Entendo que a culpa, é de todos os sócios e daqueles que sendo adeptos não se tornam sócios, porque só o sendo, é que poderão intervir com a sua opinião e o seu trabalho, no destino do clube.
Somos conhecidos por sermos uma Vila onde se ama o futebol, porque não demonstrá-lo então, através de actos, que confirmem permanentemente esse reconhecimento? COMO? Aproximando-se do clube, sendo sócio, seu dirigente, opinando e colaborando em qualquer das áreas de actividade do clube.
Gostando-se ou não do modo como o clube é actualmente gerido, quem gostar do clube tem que pensar, que a instituição estará sempre em primeiro lugar, até porque as pessoas passam e o clube fica, pensando assim não devêssemos desistir de lutar pelo futuro clube, ao fazê-lo estaremos a dignificar um grupo de pessoas que um dia se lembrou de fundá-lo e que aceitariam que o clube escorregasse, mas não que caia.
Actualmente, fala-se muito do facto da equipa do futebol sénior, possuir poucos atletas de Cabeceiras de Basto. Qual será então o verdadeiro motivo? Apostar na formação não pode ser uma maneira de dizer que o clube tem equipas jovens, deve-se trabalhar seriamente, de uma forma organizada e com a colaboração daqueles que dizem gostar do clube, claro que me refiro a ex atletas, quem melhor do que eles para transmitir a mística deste clube? Concordo, que é mais fácil na hora de treinar e ir para os jogos, estar num sofá a ver a liga dos campeões e depois na hora de ver os jogos, criticar quem de facto perde horas a fio, durante uma época desportiva na tentativa de inverter essa mesma situação, (integrar na equipa sénior jovens de Cabeceiras de Basto). Mas assim não vamos lá e não vale a pena andar com críticas, querem-se acções. Por mim colaboro, quer na qualidade de sócio do clube desde os 14 anos e como treinador na área de formação, porque jamais poderei esquecer, que apesar de tudo, dificuldades, contrariedades e falta de organização, o Atlético Cabeceirense, foi o clube que me permitiu desde muito jovem praticar uma modalidade desportiva que tanto adoro … O FUTEBOL.

Por: António Correia

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.