Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 31-03-2007

SECÇÃO: Opinião

A Importância das IPSS na Sociedade

foto
A cada passo, na comunicação social, ouvimos falar de IPSS, notícia sobre uma abertura de mais um lar ou mais uma valência, como aqui na nossa terra que, felizmente, foi concretizado o sonho de muitos e aliviada a agonia de tantos outros com a aprovação do Lar na Fundação A. J. Gomes da Cunha, bem como no Arco de Baúlhe e ainda, outras valências através dos projectos que a ADIB está a candidatar-se.
As Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) têm como principal objectivo auxiliar o Estado a responder, de forma rápida e sustentada, às necessidades sociais. Estas são comparticipadas pela Segurança Social de forma a proporcionar aos seus utentes uma prestação de serviços com qualidade e adequados às necessidades.
As IPSS podem ter como valências: o Centro de Actividades de Tempos Livres, Lares para Idosos e/ou Crianças/Jovens e/ou Pessoas Portadoras de Deficiência; Serviço de Apoio Domiciliário, Creches/Jardim-de-infância, Centro de Dia, entre outras.
Geralmente as IPSS nascem de uma Associação/Organização já constituída para fins sociais e lúdicos, mas que através do diagnóstico de necessidades, os dirigentes decidiram alargar a sua capacidade de resposta, candidatando-se dessa forma ao Estatuto de IPSS, do qual exige um conjunto de requisitos e investimento financeiro. Não é fácil transformar uma Associação numa IPSS, é preciso muita vontade de quem está à frente da Associação, muita preparação para que o projecto seja aprovado, fontes de financiamento capazes de suportar o leque de serviços que uma IPSS deverá ter. A cada passo as exigências aumentam, as necessidades e expectativas da sociedade alteram-se e a IPSS tem que estar preparada para isso.
A sociedade deve agradecer e ajudar estas Instituições naquilo que cada um puder dar, uma vez que as mesmas são constituídas para o bem geral, com o estrangulamento financeiro de que são alvo, devido à crise geral, e a uma legislação cada vez mais rigorosa, a prestação multidisciplinar de serviços, por vezes, só é possível com a colaboração de cidadãos voluntários que amavelmente partilham os seus conhecimentos com os utentes das IPSS, dando vida aos mesmos, ajudando naquilo que é nosso, que foi construído para os nossos habitantes, hoje para os vizinhos, amanhã para os meus!

Por: Sílvia Machado

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.