Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 31-03-2007

SECÇÃO: Região

CORRIDAS DE CAVALOS ENCERRARAM SEMANA DA FLORESTA E DO CABRITO

As corridas de cavalos em passo travado e uma corrida de asininos, vulgarmente conhecidos por “burros”, atraíram ao Centro Hípico de Vinha de Mouros centenas de pessoas encerrando, com êxito, mais uma edição da Semana da Floresta e do Cabrito que teve lugar em Cabeceiras de Basto de 21 a 25 de Março.

Acções de limpeza da floresta
Acções de limpeza da floresta
Cavaleiros da Régua, Celorico da Beira, Fafe, Montalegre, entre outros apresentaram-se em prova e animaram o último dia deste certame, do qual fez parte também a realização de um passeio equestre que percorreu as principais ruas desta vila, proporcionando quadros de grande beleza aos Cabeceirenses e ao grande número de visitantes que se deslocaram ao concelho, quer para saborear o Cabrito das Terras Altas do Minho, quer para assistir à primeira prova de Downtow realizada ao longo do Centro de Educação Ambiental de Vinha de Mouros. Esta prova de bicicletas atraiu centenas de jovens e muitos populares que ao longo do percurso definido aplaudiram com entusiasmo dezenas de jovens e ousados atletas.

Plantação de Árvores e acções de sensibilização
Os pastores foram ao Centro Hípico
Os pastores foram ao Centro Hípico

Segundo informação divulgada, pelo Centro Hípico passaram ao longo do certame, mais de um milhar e meio de crianças que, conjuntamente com os professores e auxiliares de educação ali se deslocaram para conhecer as instalações do equipamento, plantar árvores, ver a exposição dos espantalhos feitos pelas várias escolas do concelho e ainda, para assistir às demonstrações de equitação e andar a cavalo. Por aqui passaram também os pastores de Cabeceiras de Basto, que em jeito de homenagem, ali se reuniram para assistir ao filme “Ainda há pastores?” projectado naquele espaço, a que se seguiu um convívio animado musicalmente.
Do programa previsto destacaram-se, as caminhadas, as acções de limpeza e as provas de atletismo levadas a cabo no Centro de Educação Ambiental, atraindo miúdos e graúdos quer para a prática de desporto, quer para a participação em várias acções de sensibilização em prol da defesa do meio ambiente e da preservação da floresta e do seu uso múltiplo.
As corridas de cavalos atrairam numeroso público
As corridas de cavalos atrairam numeroso público
A esta iniciativa, organizada pela Câmara Municipal e pela Emunibasto E.M., associaram-se os agrupamentos de escolas do concelho, a Mútua de Basto, a RuralBasto, o Instituto Norte e Qualidade, a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Cabeceirenses e o Centro de Informação Europe Direct de Entre Douro e Minho.
Esta jornada integrou além da gastronomia, um programa diversificado, de que se destacaram as acções pedagógicas direccionadas para os jovens, alunos das escolas e ainda variados espectáculos culturais e musicais, ateliers de reciclagem, visitas, exibição de filmes e promoção gastronómica do cabrito das terras altas do Minho nos restaurantes do concelho.

Provas de atlestismo em Vinha de Mouros
Provas de atlestismo em Vinha de Mouros
Cabrito das Terras Altas do Minho à mesa

O evento contou ainda com a promoção do Cabrito das Terras Altas do Minho desta, iguaria que durante o fim-de-semana foi promovido nos vários restaurantes locais.
Com a denominação de origem e certificado como um produto de indicação geográfica protegida, o Cabrito das Terras Altas do Minho tem a sua sede em Cabeceiras de Basto abrangendo, porém uma vasta região dos distritos de Braga e Viana do Castelo.
A sua carne é proveniente das raças autóctones bravia e serrana ou do cruzamento entre estas e é controlada na produção, transporte, abate e comercialização pelo organismo Norte e Qualidade oferecendo, portanto, garantias higieno-sanitárias e assegurando ao consumidor a genuinidade e origem do produto.
Passeios a cavalo no Centro Hípico
Passeios a cavalo no Centro Hípico
O Cabrito das Terras Altas do Minho é por isso uma das potencialidades desta região e uma das apostas estratégicas do Município para o desenvolvimento integrado desta terra do interior.

Promover o uso múltiplo da floresta

Aliando à enorme riqueza florestal deste concelho as componentes da produção animal, a caça e o turismo de montanha, o Eng.º Joaquim Barreto defende como opção mais correcta para o combate à desertificação humana e para a melhoria da economia regional, o uso múltiplo da floresta.
Para isso, considerou o presidente do executivo de Cabeceiras de Basto, torna-se necessário proporcionar condições aos “resistentes” que continuam a viver nas aldeias e a um grupo de gente jovem que já começa a descobrir as vantagens de investir aqui para transformar e comercializar os produtos locais genuínos de qualidade.
Presidente da Câmara com duas gerações de pastores
Presidente da Câmara com duas gerações de pastores
Esperando que os apoios que estão a ser programados pelo Governo para o mundo rural possam dar um impulso decisivo a estes territórios, o presidente da edilidade Cabeceirense adiantou que a Câmara Municipal não tem descurado esse objectivo. Recordou, a propósito, a recuperação e pavimentação de todas as estradas e caminhos que ligam a sede do concelho a todas as aldeias, a instalação de infra-estruturas básicas de abastecimento de água, esgotos e electrificações públicas, bem como a deslocação aos lugares mais recônditos para atendimento e prestação de serviços e cuidados de saúde, do posto Móvel de Atendimento ao Cidadão, entre outros.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.