Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 30-11-2006

SECÇÃO: Região

Arco de Baúlhe acolheu Festa de S. Martinho e do Vinho

O Grupo do ECL de Painzela foi um dos dezasseis que participaram no evento
O Grupo do ECL de Painzela foi um dos dezasseis que participaram no evento
“Pelo S. Martinho, vai à adega e prova o vinho”; “Em dia de S. Martinho, semeia os teus alhos e prova o teu vinho”; “No dia de S. Martinho, mata o porquinho, abre o pipinho e porta-te mal com o teu vizinho”; “No dia de S. Martinho mata o teu porco, assa as castanhas e prova o vinho”; “No dia de S. Martinho, assa as castanhas e molha-as com o vinho”; “Pelo S. Martinho, prova o teu vinho, ao cabo de um ano já não te faz dano” "Adágios Populares"
A vila do Arco de Baúlhe serviu uma vez mais de cenário para a realização da Festa de S. Martinho e do Vinho. À semelhança do que vem sucedendo em anos anteriores, a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, com o apoio da EMUNIBASTO e da Junta de Freguesia do Arco de Baúlhe, promoveu nos dias 18 e 19 de Novembro a Festa de S. Martinho e do Vinho.
As quadras de S. Martinho tiveram muita originalidade
As quadras de S. Martinho tiveram muita originalidade
A realização desta iniciativa, que atraiu ao Pavilhão Gimnodesportivo do Arco de Baúlhe centenas de pessoas, teve como objectivo principal dinamizar a vida cultural do concelho, promovendo, simultaneamente, uma jornada de animação musical e de salutar convívio a todos os Cabeceirenses.
A Festa de S. Martinho e do Vinho contou com a presença do Grupo de Bombos “Arborada”, que percorreu as principais ruas daquela vila Arcoense, bem como a actuação do Grupo “Os Ceifeiros de St.º André”, de Vila Nune, que interpretou no primeiro dia do evento, sobretudo, músicas populares facto que registou o agrado e a participação do público presente, terminando a noite com a actuação dos cantadores ao desafio Lopes de Travassô e Carvalho de Cucana.
Velhos e novos seguiram com atenção o programa que evocou uma tradição antiga do Arco de Baúlhe
Velhos e novos seguiram com atenção o programa que evocou uma tradição antiga do Arco de Baúlhe
No Domingo, segundo dia de Festa, a jornada esteve reservada para o Encontro de Quadras de S. Martinho, onde estiveram presentes 16 grupos provenientes de várias freguesias do concelho, tais como o Rancho Folclórico de S. Nicolau, Ex-Corde, também de Cabeceiras – S. Nicolau, o Grupo de Cavaquinhos da ADIB, o Grupo de Cavaquinhos da Raposeira em representação da Mútua de Basto, Os Eternos Jovens de Abadim do Centro Comunitário daquela freguesia, o Espaço de Convívio e Lazer de Painzela, o Grupo de Cantares D. Nuno Álvares Pereira, de Pedraça, Os Mecânicos do Futuro, em representação da ARCA, Os Amigos de Basto, a Associação Janelas Abertas em representação do Espaço de Convívio e Lazer de Refojos, o Grupo Arborada, de Cucana, Os Ceifeiros de Sto André, de Vila Nune, o Espaço de Convívio e Lazer da Faia, o Espaço de Convívio e Lazer de Arco de Baúlhe, o Rancho Folclórico S. João Baptista de Cavez e o Espaço de Convívio e Lazer de Outeiro, que desta forma apresentaram bonitas cantigas alusivas aos magustos, às castanhas e ao vinho, cantando usos e costumes de outrora, revivendo as tradições da nossa região, interpretadas pelas dezenas de cantadores e tocadores participantes.
Neste sexto Encontro de Quadras de S. Martinho houve ainda espaço para músicas e letras originais, cuja interpretação proporcionou um espectáculo do agrado do numeroso público presente.
Os grupos participantes receberam um prémio de participação no valor de 135 Euros, conjuntamente com um diploma de participação.
O público que encheu o Pavilhão do Arco de Baúlhe não se cansou de aplaudir os grupos de cantares que actuaram na festa
O público que encheu o Pavilhão do Arco de Baúlhe não se cansou de aplaudir os grupos de cantares que actuaram na festa
Na ocasião, o Presidente da Câmara, Eng.º Joaquim Barreto, agradeceu a adesão de todos os grupos participantes, assim como, do público assistente, na realização de mais uma iniciativa organizada com o intuito de reviver tradições, avivar a cultura popular concelhia, assim como proporcionar momentos de confraternização, socialização e salutar ocupação dos tempos livres dos cabeceirenses. Ao evento, associou-se este ano a componente gastronómica com a promoção dos produtos locais, tais como o vinho, o fumeiro, o mel, os doces, entre outros, assim como o artesanato em madeira desta Terra de Basto.
A jornada terminou de forma festiva com um lanche convívio oferecido a todos os grupos e espectadores, onde não faltaram as castanhas assadas e o vinho novo, a que se associou também muita música e até um bailarico promovido pelos grupos presentes.
O Grupo do ECL da Faia em plena actuação
O Grupo do ECL da Faia em plena actuação




© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.