Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 31-10-2006

SECÇÃO: Última Página

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO APROVOU A CARTA EDUCATIVA

Em cerimónia presidida pela Ministra da Educação, Drª Maria de Lurdes Rodrigues, realizada em Vila de Conde, foi homologada no dia 30 de Outubro, a Carta Educativa de Cabeceiras de Basto.
Trata-se, segundo informação divulgada, de um importante documento para os Cabeceirenses, pensado à luz das novas realidades demográficas do concelho, das condições sócio-económicas e da concretização do conceito de “escola a tempo inteiro”, para todas as crianças.

Escola EB 1 de Refojos regista um número crescente de alunos
Escola EB 1 de Refojos regista um número crescente de alunos
Elaborado após a análise e estudo aprofundado, ao longo de muitos meses, em diálogo com as Escolas, Juntas de Freguesia e outras instituições e actores locais, a Carta Educativa aponta para que os estabelecimentos escolares possam funcionar integrados em territórios educativos, de forma articulada, com o objectivo de atenuar os aspectos negativos do isolamento em que se encontram algumas das escolas do concelho, num processo indissociável das orientações do Plano Director Municipal.
Nesta perspectiva e de acordo com as opções da Carta Educativa, que mereceram, previamente “luz verde” do Conselho Municipal de Educação, da Câmara e da Assembleia Municipal, a realidade do sistema educativo de Cabeceiras de Basto em 2008-2009, traduzir-se-á em sete novos Centros Escolares para o 1º Ciclo a localizar: 1 na freguesia de Cabeceiras de Basto – S. Nicolau, 2 na freguesia de Refojos, 1 na freguesia de Arco de Baúlhe, 1 na freguesia da Faia, 1 na freguesia de Pedraça e 1 na freguesia de Cavez, para além de 3 Escolas Básicas do 2º e 3º Ciclo e 2 Escolas Secundárias.
Esta nova realidade implicará, por isso, a adaptação de alguns edifícios escolares existentes e novas construções, transformando radicalmente a situação actual, caracterizada pelo elevado número de pequenas escolas do 1º ciclo, com muito poucos alunos, dispersas pelos lugares da zona mais montanhosa do concelho e em grande isolamento.
A Câmara Municipal espera que desta profunda transformação, resultem melhores condições para a prática lectiva de alunos e professores e também maior sucesso escolar e educativo para a sua população mais jovem, num aposta clara na qualificação dos cabeceirenses.
Assim, tal como outros 37 Municípios pertencentes às zonas de influência das direcções regionais de Educação do Norte e de Lisboa e Vale do Tejo, Cabeceiras de Basto, viu aprovada a Carta Educativa concelhia, uma das primeiras do Distrito de Braga e que é um instrumento de planeamento do concelho no sector da educação no prazo de cinco anos que representa um passo importante de uma caminhada que visa mais e melhor educação.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.