Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 31-10-2006

SECÇÃO: Região

Lembrar Amália na Casa Municipal da Cultura

Lembrar Amália é o tema da exposição que a Casa Municipal da Cultura tem patente ao público de 2 a 22 de Novembro. Trata-se de uma colectânea de 18 painéis com fotografias de Amália Rodrigues, a que se associam notícias de jornais, revistas, capas de discos, entre outros documentos alusivos a uma das maiores, senão a maior fadista Portuguesa de todos os tempos, considerada por Caetano Veloso como o esplendor do canto, ou como uma referência, por José Saramago.
Esta exposição do Museu Nacional do Teatro em homenagem à fadista, não pretende subestimar aquilo que de mais importante Amália nos deixou – a sua voz. Deve sim, ser entendida como um complemento a esse seu “dom divino”, como forma de evocar a memória dessa grande artista e, sobretudo, de partilhar com o seu público, que somos todos, a sua presença única nos palcos, a sua forma de interpretar e a sua estranha forma de viver.
Amália encerrava na sua voz aquele mistério de ser um pouco de todos nós e muito da nossa identidade.

foto
Por isso a exposição patente na Casa Municipal da Cultura não pode ser vista e entendida como meros adereços, pois apesar da sua materialidade inerte, eles faziam parte de Amália. Eram para ela, tal como refere José Carlos Alvarez, director do Museu Nacional do Teatro, a pele da sua voz, encarnando a voz profunda do fado.
Os adereços expostos, enquanto peças de museu e assim deslocados da sua função inicial, trazem à memória alguns momentos únicos que marcaram em definitivo não só a sua história cultural mais recente mas, sem qualquer exagero, a história universal da canção e do espectáculo do século XX.
Ainda que resumida, temporária e limitada pelo espaço e pelo tempo, esta exposição apresenta uma carreira artística tão longa e tão notável como foi a de Amália Rodrigues, que mais que um privilégio, representa um dever mostra-la a públicos tão diferentes e com esta dimensão, todo o notável conjunto de objectos (e de afectos) que perpetuam a memória desta enorme cantora.
A exposição “Lembrar Amália” pode ser visitada pelos Cabeceirenses, de Segunda a Sexta-feira, das 9h00m às 12h30m e das 14h00m às 17h30m, naquele espaço cultural localizado em plena Praça da República.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.