Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 31-07-2006

SECÇÃO: Região

A Terra que fala aos seus emigrantes

Como verme em mim nasceste
Em embrião te projectaste
Num adulto te fizeste
Para o mundo que emigraste

Neste berço foste embalado
Tuas traquinices te apreciei
Foste por mim alimentado
Com o fruto que eu te dei

Em mim lançaste a semente
A planta viste nascer
O milho cresceu no meu ventre
Foi o pão que te dei a comer

Segui-te quando partiste
Com olhos de mãe para filho
Abri-te as asas e tu seguiste
O destino que estava prometido

Ao longo da minha história
Com sacrifício me enriqueceste
Recordo bem na memória
O trabalho que me ofereceste

Levas-te a tua cultura
Da escola que te formou
A coragem e aventura
D’um sonho que te levou

Vem emigrante trabalhador
Regressa à tua vila antiga
Traz-me o teu suor
Eu te ofereço a terra amiga

Cabeceiras de Basto me chamo
Assim me identifico
Ao meu povo que amo
É ele o meu filho querido

Maria José Sousa Oliveira
Rio Tinto

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.