Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 31-12-2005

SECÇÃO: Região

Acessos à A-7 vão melhorar
Processo da Variante Arco de Baúlhe – Cabeceiras em curso

Uma vez aberto ao trânsito os lanços que colocam Cabeceiras de Basto num dos principais eixos rodoviários do país, o Ecos de Basto recorda que o processo de construção da variante que liga o Nó da Auto-estrada, em Arco de Baúlhe, a Lameiros em Refojos se encontra em adianto estado. Recorde-se que esta via foi lançada pelo Director do Instituto de Estradas de Portugal, Engº António Laranjo, no dia 14 de Setembro, em cerimónia realizada no salão Nobre dos Paços do Concelho, onde sublinhou a importância do lançamento deste Corredor Urbano destinado a resolver o problema da saturação do tráfego no centro do Arco de Baúlhe onde existem estreitamentos significativos na circulação, garantindo, ao mesmo tempo, um acesso rápido e em condições de segurança da vila de Cabeceiras de Basto ao Nó da Auto-estrada.
Na ocasião, o Presidente da Câmara Municipal congratulou-se com o avanço desta obra pela qual se tem batido com denodo desde que abriu a referida A-7, em Novembro de 2004. Em declarações ao nosso jornal, o Engº Joaquim Barreto considera que, tal como a Auto-estrada, esta via é também ela estruturante para o concelho, potenciadora, por isso, de um maior desenvolvimento de Cabeceiras de Basto.
A Variante do Arco de Baúlhe a Cabeceiras tem uma extensão de 4,200 quilómetros e vai ter uma rotunda de ligação na Tojeira, Faia, na EN 206, no troço entre o Arco de Baúlhe e Gandarela. Esta estrada comportará dois viadutos, um sobre a Ribeira de Petimão numa extensão de 780 metros e outro no seu afluente com um comprimento de 260 metros e terá um perfil transversal com uma faixa de rodagem com duas vias de 3,50 metros, com bermas de 1,50 metros, prevendo o projecto a inclusão de vias de veículos lentos com 3,25 metros de largura em grande parte do seu traçado.
O valor da obra está estimado em 19.360.000,00 mil euros (3.872.000 contos) e seu prazo de execução é de 450 dias, prevendo-se que possa ficar concluído em Julho/Agosto de 2007.
No entanto, o autarca, fez saber ainda que vai pugnar para que a via se prolongue até à entrada da vila cabeceirense, para o que já estão a ser feitos os estudos necessários à sua continuação, prevendo-se que possa entroncar na Avenida Capitães de Abril.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.