Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 16-06-2014

SECÇÃO: Desporto

A ansiedade

“A ansiedade e o medo envenenam
o corpo e o espírito.”
Bernard Shaw
As crianças, adolescentes, adultos e senescentes podem experienciar um estado de ansiedade, isto quando estão perante uma situação de insegurança, incerteza e medo. Num primeiro momento, a ansiedade representa um sinal de alarme ou defesa, mas posteriormente pode originar uma expressão de medo patológico. Constitui-se numa manifestação de atividade emocional ou afetiva que cada pessoa pode experienciar, em que predominam sentimentos desagradáveis, tais como: mal-estar, apreensão, preocupação excessiva, expetativa e a intranquilidade.
Porém, o medo pode expressar-se sob formas reais, imaginá-rias e simbólicas (fobias), por diferentes potenciadores de stress (objetos, acontecimentos, condições e situações), que ponham em causa a segurança individual ou coletiva.
A ansiedade é uma emoção normal, podendo ser um estado emocional transitório ou um traço de personalidade, tornando-se patológica quando os sintomas e comportamentos ansiosos são frequentes e incapacitantes ou, mesmo, quando ocorre em simultâneo com outra perturbação. Ora, qualquer pessoa e em qualquer faixa etária, podem responder a um estímulo específico (situações, pensamentos e emoções) que a ameace, essa resposta resulta na combinação entre avaliação do estímulo atual, experiências passadas, características individuais e avaliação dos recursos disponíveis. Como, por exemplo, as crianças que não querem ir para a escola para não deixarem os pais (ansiedade de separação), os adolescentes com dificuldade em se afirmarem no grupo de pares, os adultos em instabilidade económica e profissional e, ainda, os senescentes na adaptação às doenças crónicas.
Os principais sintomas de ansiedade são: irritabilidade, preocupação excessiva, medos excessivos ou inapropriados, evitamento das situações temi-das, verificação constante, pro-cura de tranquilização e sintomas físicos (aperto no peito, falta de ar, palpitações, tremor, dores, suores, perturbação do sono e perturbações alimentares).
Posto isto, conclui-se, que a ansiedade pode ser um traço de personalidade ou um estado temporário, contudo, direta ou indiretamente afeta o funcionamento adequado das pessoas no seu dia-a-dia, podendo mesmo apresentar um impacto significativo ao longo do ciclo vital.

* Colaboradora
Ana Sofia Matos

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.