Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 26-05-2014

SECÇÃO: Opinião

SABER ESCOLHER O QUE COMER, PARA MELHOR VIVER!

Desde pequenos que somos influenciados pelo meio em que vivemos, nas escolhas que faze-mos quanto ao tipo de hábitos alimentares, entre outros, ao longo das nossas vidas. Este conceito de que a nutrição na infância pode ter uma influência a longo prazo na saúde do individuo, surgiu pela primeira vez em 1960, mantendo-se atualizado até aos dias de hoje.
Sabemos que existem estudos, que sugerem um papel benéfico do aleitamento materno na prevenção do risco de obesidade, que uma alimentação cuidada desde bem cedo, previne doenças crónicas no futuro. Existem inúmeras boas razões para começarmos a refletir na importância de fazer a escolha mais correta no momento de irmos às compras e escolhermos produtos mais saudáveis, não nos deixando influenciar por publicidades enganosas…
Nem sempre o mais caro é a melhor escolha! Nos dias em que vivemos, onde se fala tanto de crise económica, o custo dos produtos não pode ser desculpa para uma escolha errada ou a criação de maus hábitos alimentares. É importância criar rotinas de uma alimentação variada e saudável, rica em legumes e pobre em gorduras, sal, açúcar…
Mas se queremos que as crianças adquiram os bons hábitos tem de partir de nós (os adultos) o exemplo, ou seja, está nas nossas mãos, tornarmo-nos numa influência saudável para aqueles de quem mais gostamos, para que possam mais tarde tornar-se adultos responsáveis saudáveis e muito felizes!
No sentido, de sensibilizar para a importância do pequeno-almoço, sopa e lanches escolares, a Unidade de Cuidados à Comunidade – UCC Cabeceiras em parceria com o Agrupamento de Escolas de Cabeceiras de Basto, realizou várias atividades no ano letivo de 2013/2014. Esta iniciativa inicialmente foi dirigida a alunos e professores do 1º ciclo, com a apresentação do conto “Poção Mágica”, da autoria da Drª Dulce Lemos), e posteriormente alargada aos encarregados de educação, tendo realizado várias sessões de informação sobre “ a alimentação, uma escolha saudável e divertida” e também um concurso de sopas saudáveis, tendo sido selecio-nadas duas receitas vencedoras: 1º ano, sala 1 do Centro Escolar Padre Doutor Joaquim Santos e outra da turma B5 do Arco de Baúlhe.
Segundo refere Dulce lemos (Nutricionista do ACES Alto Ave) “A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o consumo de, pelo menos, 400 g de fruta e hortícolas por dia. A sopa de hortícolas consumida diariamente ao almoço e ao jantar, contribui para atingir esta recomendação permitindo a ingestão de nutrientes reguladores, como fibras, vitaminas, minerais e água, associados a um baixo valor calórico. O consumo de hortícolas é uma das chaves para uma alimentação equilibrada, variada e completa, estando associado a um bom funciona-mento do organismo e à prevenção de diversas doenças crónicas não transmissíveis.”
Ainda segundo a mesma fonte “A sopa, se confecionada de forma adequada, é uma importante fonte de vitaminas: contribuem para o crescimento e manutenção do equilíbrio do organismo, regulando muitos processos que nele ocorrem; minerais: importantes param a conservação e renovação dos tecidos e para o bom funcionamento das células nervosas; fibras: participam na regulação do organismo, nomeadamente no controlo da glicose e colesterol sanguíneos, do trânsito intestinal e do apetite; água: é essencial para a regulação do trânsito intestinal, proteção de tecidos e órgãos, transporte de nutrimentos e manutenção da temperatura corporal. Quando con-sumida ao início da refeição dimi-nui a quantidade de alimentos ingerida no prato principal. Uma vez que promove a saciedade, a sopa contribui para um melhor controlo do peso corporal. Além disso a sopa colabora na prevenção de diversas patologias, nomeada-mente as doenças cardiovasculares, alguns cancros, diabetes e obesidade; facilita a ingestão alimentar para indivíduos com dificuldades de mastigação; facilita o consumo de diversos hortícolas na mesma refeição; pode constituir o prato principal de uma refeição se for enriquecida com alimentos fornecedores de proteína e alguns cereais.”
Ela salienta ainda que, a água é o principal constituinte das hortaliças e legumes e também um dos principais ingredientes de uma sopa. O consumo de sopa contribui em grande parte para a ingestão diária de água, ajudando o organismo a manter-se hidratado. Bem como, engloba as hortaliças (folhas, ramas e flores) como a couve, alface, nabiças e couve-flor e os legumes (raízes, talos e frutos) como a cenoura, alho francês e tomate. Aconselha que “quando confecionar sopa escolha 3 a 4 hortícolas diferentes, em que um deles seja, preferencialmente, de folha verde. A batata, o arroz e a massa são boas fontes de hidratos de carbono, fibras, vitaminas (principalmente do complexo B) e minerais. Na base da sopa deverá colocar apenas um destes alimentos. Adicionar leguminosas à sopa (feijão, grão-de-bico, lentilhas, ervilhas, etc.) pode ser uma excelente forma de introduzir estes alimentos diariamente na alimentação, dado que nem sempre são consumidas no prato principal. As leguminosas são ricas em proteínas de origem vegetal e também fornecem hidratos de carbono, fibras, cálcio, ferro, zinco, ácido fólico e vitaminas do complexo B. Idealmente devem ser consumidas com a pele uma vez que esta contém diversos nutrientes. No caso de dificuldade em digerir as leguminosas, estas devem ser bem demolhadas e confecionadas de forma a facilitar a digestão (podem ser passadas/trituradas). Diversos temperos podem ser adicionados à sopa, nomeadamente o azeite, sal e ervas aromáticas. O azeite é uma gordura com um perfil saudável (sendo os ácidos gordos monoinsaturados os mais representativos), contudo deve ser usado em pouca quantidade porque fornece muitas calorias. Procure adicionar o azeite apenas no final da cozedura da sopa, após ter desligado a fonte de calor, tendo como referencia 1 colher de sopa de azeite por prato (quantidade máxima). O sal deve também ser usado com moderação pela sua associação com a hipertensão arterial. Nota prática: se confecionar sopa para 10 doses, colo-que 2g de sal ou seja, 1 colher de café. “
Depois de todos estes conselhos certamente que a sua opinião sobre a importância da sopa e saber escolher o que comer, será muito diferente!
Não se esqueça de comer bem, para viver melhor…

* Colaboradora
Enf. Anabela Rodrigues

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.