Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 24-03-2014

SECÇÃO: Reportagem

Patinagem Artística foi implementada em maio de 2012
Equilíbrio e coordenação sobre rodas

A atividade começa com um aquecimento de preparação para os exercícios sobre rodas no Pavilhão Gimnodesportivo do Arco de Baúlhe. Está tudo pronto para mais uma divertida aula de patinagem artística e as meninas e os meninos preparam-se, em fila indiana, para os primeiros movimentos. Dos mais novinhos aos mais velhos, todos conhecem as regras e dão início às atividades físicas de equilíbrio e coordenação em que a dança ocupa um lugar de destaque.
No final, o grupo coeso e bem coordenado proporciona um espetáculo de movimentos e acrobacias sem igual, onde o divertimento está garantido.
A patinagem artística foi implementada em Cabeceiras de Basto em maio de 2012. É um projeto promovido pela Régie-cooperativa Basto Vida, em colaboração com a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, que conta com o apoio e o envolvimento dos pais e encarregados de educação das crianças e jovens praticantes da modalidade.
De salientar que esta atividade se insere no projeto ‘Mais Vida’ e enquadra-se no âmbito do Contrato Local de Desenvolvimento Social (CLDS), cuja entidade promotora é a Câmara Municipal e a entidade coordenadora e executora é a Basto Vida.
A patinagem artística tem como objetivo promover a formação desportiva desenvolvendo a formação cívica adaptada ao desenvolvimento psicomotor e às respetivas etapas de desenvolvimento e maturação das crianças e dos jovens, sendo que a prática desta modali-dade tem um efeito positivo no desenvolvimento das crianças e dos jovens nos domínios cognitivo, social, afetivo e fisiológico, com relevante impacto no desempenho escolar.
De acordo com a diretora da Basto Vida, Dra. Catarina Ramos, “a patinagem artística destina-se a todas as crianças e jovens do concelho, entre os 6 e os 18 anos de idade, embora esteja aberta a outras idades, mediante a avaliação da monitora responsável por ministrar a formação” com o intuito de ocupar de forma salutar os tempos livres dos mais novos, bem como formentar o desenvolvimento de competências relacionais e so-ciais, objetivos estes que “são sempre acompanhados de uma meta de cariz social integradora, numa ótica de igualdade de oportunidades”, explicou.
Segundo a mesma responsável, “aumentar o leque de respostas e de oportunidades nestas áreas é criar condições para o crescimento saudável das nossas crianças e jovens. É apostar nos seus talentos. É investir no potencial humano do nosso concelho porque as pessoas são a principal preocupação da atividade da Basto Vida”.
Com o aumento do número de alunos, “foi havendo a necessidade de se alargar os horários e de au-mentar os dias dos treinos, sinal de que esta modalidade está a crescer e a consolidar-se no concelho. Diria mesmo que tem, e continuará a ter, 'pernas para andar'. Os patins estão para ficar”, reforçou Catarina Ramos.
Atualmente com mais de 30 inscritos, das mais diferentes idades, as aulas de patinagem artística parecem fazer ‘as delícias’ não só aos jovens praticantes, como também aos pais, que não perdem a oportunidade de acompanhar a evolução dos filhos.
Carla Lousada é a presidente da Junta da União de Freguesias do Arco de Baúlhe e Vila Nune, sendo também ela mãe da jovem Raquel de 10 anos de idade que frequenta as aulas de patinagem artística e “adora”. Carla Lousada garante que a filha "é muito empenhada" nos treinos e que esta "é uma atividade de extrema importância para o seu desenvolvimento".
A presidente da Junta daquela União de Freguesias considera que esta é uma iniciativa de realçe não só para as freguesias do Arco de Baúlhe e Vila Nune, como também para todo o concelho, já que a patinagem é frequentada por crianças e jovens de várias freguesias.
“Estamos todos muito satisfeitos porque, de facto, a atividade tem corrido muito bem e é enriquecedora para as nossas crianças”, garantiu Carla Lousada, assegu-rando que este projeto “superou as expetativas”.
Ana Paula Teixeira tem os dois filhos a frequentar as aulas de pati-nagem: o Francisco com 7 anos e o Rodrigo com 6 anos.
Para Ana Paula, esta “é uma boa iniciativa”, que ganha muito “por ser diferente do habitual” e por ser “um exercício muito completo que pro-porciona o divertimento”.
Afirmando-se “satisfeita” com o resultado da patinagem artística, Ana Paula, garante que os filhos “gostam muito” da modalidade e por isso o balanço que faz “é muito positivo”. E refere: “esta é uma atividade fundamental porque através dos espetáculos realizados conseguimos levar os nossos meninos e o nome da nossa terra a outros concelhos. Têm aulas há menos de um ano e já deram espetáculos fabulosos”, confessou, mostrando-se orgulhosa.
A monitora de patinagem Aldina Rodrigues fez um balanço “muito acima das expetativas com uma adesão fantástica em relação às crianças”, afirmando que tem havido “muito poucas desistências”. Atualmente a caminho do terceiro nível em termos de evolução técnica dos jovens, a monitora garante ser “muito exigente”, procurando conhecer o feedback dos espetáculos junto de várias pes-soas e aquilo que se tem confirmado é “um balanço fantástico”.
A patinagem é muito importante ao nível do controlo motor e em termos do estado emocional, considera a monitora, afirmando que aquilo que costuma dizer aos alunos é: “mais uns tempos e estás a voar e essa é uma sensação muito positiva para uma criança”, sustenta.
Aldina Rodrigues recorda, orgulhosa, o último espetáculo em Fão, Esposende, onde os alunos a “surpreenderam” com uma performance “impecável” que conjugou dança, música, ritmo, cores e brilho.
“O convívio e a parte lúdica e pedagógica são também muito importantes e nota-se entre este grupo que existem verdadeiros laços de amizade”, sublinhou a monitora, desejando que “a patinagem possa crescer pois temos tudo para dar certo”.
“O gosto pela modalidade e o orgulho de pertencerem ao Grupo de Patinagem Artística de Cabeceiras de Basto é um fator comum que é visível a quem assiste a uma aula”, realçou, por seu turno, a diretora da Basto Vida, que considera a “alegria” a marca deste grupo.
Destacando o “envolvimento constante dos pais no acompanhamento dos filhos, no apoio à atividade, na presença ativa nas ações promovidas e nas quais têm um papel fundamental”, Catarina Ramos explicou que “este é, sem dúvida, um fator fundamental para o sucesso da atividade e para o seu crescimento”. E acrescentou: “a tudo isto associa-se também o trabalho de várias pessoas, colaboradores da Basto Vida e pessoal afeto ao equipamento desportivo que, de forma dedicada, procuram, a cada dia, melhorar a resposta”.
Finalizando, a diretora da Basto Vida disse: “tudo isto só é possível porque a Câmara Municipal acre-ditou e continua a acreditar na importância deste investimento, criando condições para que, em colaboração com a Basto Vida, a modalidade continue, sempre, a crescer”.
Na sua opinião, a patinagem artística “excedeu as expectativas”, uma opinião que acredita ser partilhada pela restante direção da Basto Vida e por todos os colaboradores desta atividade.



































© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.