Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 28-10-2013

SECÇÃO: Opinião

O concelho na “Geografia D''Entre Douro e Minho e Trás-os-Montes”

João de Barros (1495-1570) terá composto uma “Geografia d’Entre Douro e Minho e Trás-os-Montes”, escrita por volta de 1549, em que descreve singelamente o então concelho de Cabeceiras de Basto. Tecnicamente a descrição refere-se mais ao “Couto de São Miguel de Refojos de Basto, que ao concelho propriamente dito, já que este tinha ao tempo a cabeça na Casa da Taipa em S. Nicolau. Também por essa altura ainda existiam os coutos de Abadim e de Basto (Santa Senhorinha) que somente estavam ligados ao concelho pelas funções judiciais, já que os escrivães do concelho o eram simultaneamente dos três citados coutos. Mas João de Barros tudo mistura, oferecendo-nos o seguinte texto:
“Asima deste concelho (de Celorico de Basto) está outro, a que chamao Cabeceiras de Basto, em muito boa terra, onde está o Mosteiro de Refoios, da ordem de São Bento, cujo orago he São Miguel. Val para o Dom Abbade seis sentos mil reis e tem doze monges, que tem boas Reçoins, que ualerão todas tresentos mil reis, e val por tudo hu Conto de Renda. Dizem que este mosteiro foi primeiro de freiras e averá quatro sentos e cincoenta Anos que foi fundado. Está em terra doce e amena, porque partesipa dos mon-tes e dos valles e daquella Ribeira de Rio Tamega e de outros Rios que pação por alli, e valles de muita frescura.
Está ahi junto a Igreja de Sancta Senhorinha de Basto, que tem Raçoeiros, e se diz que foi Mosteiro, onde esteve esta Sancta Senhorinha, e dizem que iaz alli, e hu Irmão seu, que chamão São Geruas.
No Cabo deste Conselho está a ponte de Caves, no Rio Tâmega, que he hua ponte a mais bem feita que se pode achar, e hu letreiro está ahi junto em hua pedra que diz que se fes na era de mil e duzentos sessenta e seis, e está hu muimento em que iaz o pedreiro que a fundou.
Em tempo de São Giraldo, que hera no tempo, del Rey Dom Afonço Amriquez, Rey primeiro de Portugal, inda esnte não hera feita e depois se fés e he a melhor deste Rio, muito bem feita. Outra ha em Mondim e outra em Amarante e outra em Cana-vezes e outra em Chaves, porque este Rio atravessa esta terra e por isso forão nesesárias estas pontes.”
***

Como curiosidade, a afirmação de que o Mosteiro terá sido fundado “averá quatro sentos e cincoenta Anos” (ou seja por volta do ano 1100); e ainda que “foi primeiro de freiras”. Também é interessante a nota sobre a ponte de Cavez sobre o Tâmega, atribuindo-lhe a construção na era de 1266, “e he a melhor deste Rio, muito bem feita”.

* Colaborador

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.