Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 29-07-2013

SECÇÃO: Reportagem

Casa de Lobos foi inaugurada no dia 20 de julho em Riodouro

foto
Empreendimento turístico rural abre portas em Cambezes

O lugar de Cambezes, na freguesia de Riodouro, conta, desde o dia 20 de julho, com um novo empreendimento de turismo rural capaz de atrair visitantes de todo o país, mas também turistas de toda a Europa.
foto
Implantada entre as serranias da Cabreira e do Marão, a Casa de Lobos – assim designado o empreendimento turístico – foi inaugurada pelo presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Joaquim Barreto que, na oportunidade, se fez também acompanhar pelo presidente da Junta de Freguesia de Riodouro, Serafim Barros Pereira.
Juntamente com a família Costa, que deu corpo e alma a este projeto de turismo em espaço rural, os autarcas descerraram a placa alusiva à efeméride.
foto
Na festa da inauguração marcaram presença cerca de uma centena de convidados que, num ambiente informal mas com muito requinte, desfrutaram do espaço, assim como das belas paisagens onde se encontram implementada a Casa de Lobos.
O empreendedor João Costa de 56 anos de idade é natural da freguesia de Cambezes. Depois de vários anos emigrado no país vizinho, decidiu assentar raízes na terra natal e investir na aldeia que o viu nascer.
João Costa, ex-trabalhador da construção civil em Espanha, tinha como ambição de vida mudar de atividade. De acordo com as suas palavras, “esta ideia surgiu de uma forma muito natural. Sou desta aldeia e como esta casa de lavradores estava muito degradada, incentivámos os donos a vendê-la”.
O projeto da Casa de Lobos demorou dois anos a ser posto em prática, “dois anos do pensamento à ação”, período durante o qual a família reuniu as condições económicas necessárias para levar avante este projeto.
O nome “Casa de Lobos” advém, de acordo com o proprietário da casa, da história e da área envolvente, pois “encontramo-nos numa zona propícia ao aparecimento de lobos”.
Em declarações ao Jornal Ecos de Basto, o empreendedor realçou as mais valias que este projeto traz ao concelho, à aldeia de Cambezes e à freguesia de Riodouro. “Queremos trazer até nós turistas nacionais e europeus e dar-lhes a conhecer a nossa casa com o lema que é ‘conhecer o norte de Portugal desde aqui’. Queremos, também, criar parcerias com entidades públicas e privadas e, até mesmo, com as restantes casas de turismo rural do concelho para que, com a ajuda deles, possamos criar roteiros e dar conhecer a nossa zona e quão maravilhosa é”, realçou.
João Coata salienta explicou, ainda, que “este projeto tem uma vertente social muito importante e que a ideia é, precisamente, dinamizar a atividade nesta aldeia, tanto no aspeto da produtividade como da natalidade. As aldeias estão a ser alvo de desertificação e para combater este facto é precisamente com investimentos deste tipo, que não alterem o ritmo e a vida dos vizinhos, que se enquadram com as atividades rurais, e ao mesmo tempo que deem ocupação às pessoas da zona. É muito importante, também, que consumam os produtos que aqui se possam fabricar”. É desta forma que João Costa quer “estender iniciativas como esta ao concelho e a outros pontos do país”.
Na cerimónia de inauguração e depois dos convidados terem feito uma visita guiada ao empreendimento turístico, João Costa cumprimentou e agradeceu a presença de todos, evidenciando que uma das principais particularidades deste projeto é “o aspeto social que traz à aldeia de Cambeses”. Segundo as suas palavras, “esta empresa não está pensada para ser uma fábrica de fazer dinheiro, queremos com este empreendimento que a nossa aldeia não fique desertificada”.
No âmbito da execução da obra, “única no concelho”, João Costa destacou as preocupações com o meio ambiente, nomeadamente no que se refere à eficiência energética e à reciclagem, considerando a Casa de Lobos “um projeto amigo do ambiente”.
Com muitas perspetivas em relação ao futuro, o empresário destacou como objetivo principal: “fazer com que os turistas que nos procuram fiquem surpreendidos e queiram voltar. Isto vai ao encontro dos serviços que temos para oferecer. Organizamos caminhadas na montanha, passeios a pé ou a cavalo e encontros radicais. Todos estes serviços estão ao dispor dos turistas porque é uma forma de os reter na nossa casa e dar-lhes a conhecer o nosso concelho.”
Na sua intervenção, o presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Eng. Joaquim Barreto manifestou “sentida satisfação” com a inauguração desta obra “visto que é um investimento na nossa terra e aprecio a coragem da família Costa de investir e correr riscos, porque estamos a viver momentos de contração e crise que não são nada convidativos ao investimento”.
O autarca frisou ainda que “os turistas procuram encontrar os locais como este, onde consigam conciliar o bem-estar, o descanso e o repouso, desfrutando da envolvente paisagística”.
Destacando a componente social do empreendimento – bar da casa de lobos está aberto a toda a população, o autarca realçou a importância do contacto e do convívio entre os turistas e a gente da terra.
Joaquim Barreto finalizou o discurso afirmando que “o meio rural é para mim uma riqueza, não só pelas potencialidades que encerra, como pelas suas gentes”.
Joaquim Barreto, aquando da sua intervenção, elogiou os empreendedores por terem mantido a traça original da casa de lavoura – designadamente a eira e o espigueiro – conservando por sua vez, a identidade da terra, numa simbiose entre o tradicional e o moderno.
Este investimento particular teve um custo de 1 milhão de euros e permite valorizar a terra e encontrar soluções ´globalizadas` que passam, também, por aproveitar os recursos endógenos, autênticos e irrepetíveis existentes no concelho.
Finalizando, Joaquim Barreto deu os parabéns ao proprietário João Costa e restante família pelo trabalho realizado.
Valências
Este é um empreendimento que integra a casa principal e quatro bungalows. A receção, que desempenha tripla funcionalidade – receção, palco e loja de produtos locais – está instalada na casa-mãe.
Na parte superior da casa existem quatro quartos com cama de casal (possibilidade de cama extra ou berço) e casa de banho, sendo que o quarto plus está equipado com banheira de hidromassagem.
A parte inferior da casa usufrui de um salão polivalente disponível para reuniões e conferências, um restaurante com capacidade para cerca de 70 pessoas e bar, estes dois últimos abertos ao público. Possui, também, de uma mini-sala de computadores com wireless.
Quanto aos bungalows, cada um tem capacidade para seis adultos e uma criança, cuja parte inferior tem uma cozinha-sala e na parte superior um quarto e uma casa de banho e ainda as varandas com vista privilegiada para as serras da Cabreira e do Marão.
O espaço conta, também com um belo jardim com vistas privilegiadas para deliciar os hóspedes que visitam as instalações, podendo usufruir de um serviço de jacuzzi que se encontra junto à piscina.
O custo por noite, na casa principal, varia conforme as necessidades dos hóspedes, rondando os 50 euros por noite, com serviço de limpeza. Nos bungalows o custo ronda os 50 euros, valor ao qual acrescem 10 por pessoa, tendo em ambos os casos, em algumas épocas do ano, descontos de 30%.
De referir que este investimento criou oito postos de trabalho, tendo os proprietários a preocupação de empregar gente do concelho.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.