Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 21-01-2013

SECÇÃO: Opinião

O Pão

Bendito é o pão que nos alimenta,
Fartura e alegria da nossa mês;
Pão sagrado, por todos desejado,
Fruto das searas, fruto do trabalho.

O arado e a charrua esventrou a terra
Desde os vales aos cumes da serra,
Onde douravam as fartas espigas
De vinho, de centeio, e de trigo.

Das alegrias ao lavrador nas ceifas,
Na recolha, e malhas em limpas eiras,
É promessa risonha aquele celeiro
Que dará fartura para o ano inteiro.

Ao taramelar dos moinhos da ribeira
Saem sacos de farinha trigueira;
Depois, bem amassada por padeiros,
E logo, em forma de pão, nos tabuleiros.

Nos fornos ardem a lenha, bem seca
Que todas as pedras lares aquecera
Onde o saboroso pão foi cozido,
Pronto a ser alimento preferido.

E ai está o pão, que grande riqueza,
Quando não falta sofre a nossa mesa,
Depois de tanto trabalho e suor,
Pão que és alimento, e também AMOR.

Florêncio de Campos

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.