Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 03-12-2012

SECÇÃO: Informação

Rita Teixeira apresentou livro ‘Alzheimer e suas implicações’ na Casa da Cultura

Cerimónia decorreu na Casa da Cultura
Cerimónia decorreu na Casa da Cultura
Alzheimer: “a epidemia do século XXI”

“Daqui a 10 anos, cerca de 60% da população terá demência de Alzheimer”. É “a epidemia do século XXI”. A afirmação é feita por Rita Teixeira, monitora de diferentes grupos de exercício na terceira idade e que recentemente lançou o livro ‘Alzheimer e suas implicações’ em Cabeceiras de Basto, um estudo pioneiro que apresenta uma “perspetiva multidisciplinar” sobre o Alzheimer.
Detentora de um vasto currículo, Rita Teixeira é doutoranda do Programa de Ciências do Desporto na UTAD com o Projeto ‘O Impacto de um programa de exercício físico em idosos com Alzheimer numa fase leve e moderada’, cujo principal objetivo é “provar que a atividade física atua, ou não, como efeito protetor do síndrome de Alzheimer”. Atualmente não há dados para que se possa afirmar que a atividade física atua sobre esta área, embora esteja “já comprovado que se for realizado com regularidade (3 vezes por semana em aulas de 50 minutos), o exercício físico moderado pode retardar, em fases iniciais, este síndrome”, explicou Rita Teixeira.
A monitora que está ligada à atividade física para a 3ª idade há mais de 10 anos tem demonstrado ao longo do tempo um grande interesse pelos idosos e pela dinamização de programas conducentes ao seu bem-estar e à melhoria da sua qualidade de vida, sobretudo em pessoas portadoras de doenças degenerativas como o Alzheimer.
Foi há 12 anos que a ginástica geriátrica foi implementada em Cabeceiras de Basto pelo impulso da Câmara Municipal, com o apoio da monitora. “Ajudar os idosos a fazer as suas tarefas diárias, melhorar a sua capacidade funcional e a socialização” estiveram na origem da promoção do exercício físico nas freguesias do concelho, o que não era muito habitual nos meios rurais. A atividade física serviu, também, para tirar os idosos do isolamento a que estão votados no dia a dia.
Rita Teixeira desenvolveu a ginástica geriátrica em todos os Espaços de Convívio e Lazer (ECL) criados pela Câmara Municipal mas, atualmente, só trabalha com o Lar em Cavez e com o ECL de Abadim, que foi onde iniciou a atividade. “Orgulhosa pelo trabalho desenvolvido”, Rita Teixeira recorda que “no início a implementação da atividade física foi muito difícil e foram necessários quase dois anos para fazer crer às pessoas que a ginástica é importante para o dia a dia. Mas hoje não vivem sem as aulas”.
“Para mim é vitória muito grande quando os idosos dizem que já se mexem melhor e que já conseguem apertar um atacador”, confessa.
Com a criação do Parque Geriátrico “foram criados hábitos e as pessoas começaram a aperceber-se que se tiverem uma vida com mais atividade e funcionalidade terão também uma vida com mais qualidade”, disse a monitora. Neste âmbito, “a divulgação e a promoção que foram feitas assumem aqui uma grande relevância e nisso a autarquia fez um trabalho notável. Desde que estou cá, a Câmara tentou sempre dar aos idosos o mais possível (é o caso dos ECL’s, Parque Geriátrico, aulas de ginástica, aulas na piscina, entre outros). A Câmara fez tudo o que podia e a adesão, com o passar dos anos, revelou-se gratificante porque chegamos a ter perto de 200 idosos na piscina e nos ECL’s”, justificou a monitora de grupos de exercício na 3ª Idade.
A criação da Comissão Municipal de Proteção de Pessoas Idosas de Cabeceiras de Basto deixou a monitora “muito satisfeita”. De acordo com as suas palavras, “este é o culminar do trabalho feito nesta autarquia há 12 anos. Quem trabalha com o envelhecimento sabe que esta população é muito carenciada porque, muitas vezes, o idoso vive sozinho, sem ninguém que o apoie”, assumindo aqui a Comissão de Proteção de Pessoas Idosas um papel preponderante.
Segundo as palavras de Rita Teixeira, “os idosos são muito úteis à sociedade. Têm um grande saber e experiência e esses saberes têm de ser passados aos mais novos, daí que as iniciativas que promovam o convívio intergeracional assumam cada vez mais importância”.

Rita Teixeira autografou exemplares
Rita Teixeira autografou exemplares
Um estudo pioneiro

Rita Teixeira ficou “muito satisfeita” com o lançamento deste primeiro livro e uma segunda edição não está fora de questão.
“A grande paixão pelos idosos vem da minha motivação de lhes querer proporcionar uma maior qualidade de vida e bem-estar, evidenciar a sua utilidade na sociedade e procurar que esta população tenha uma mente sã em corpo são, ou seja, saudáveis até ao fim da vida”, realçou.
No livro, que aborda principalmente as terapias não farmacológicas, é possível perceber que “quanto mais precocemente identificarmos este síndrome maior é a probabilidade de retardarmos a sua evolução”. O que está a acontecer neste momento é que “gente em idade muito precoce, com 30 e poucos anos, começa a ter os sintomas. Se for atacado no imediato, o desenvolvimento desta pseudo-demência é, sem dúvida, retardado. Se os sintomas não forem valorizados, passados cerca de 10 anos, o indivíduo já se encontra numa fase de Alzheimer moderada em que o raciocínio, a memória, a aprendizagem e as funções executivas começam a ser muito difíceis”, adiantou a doutoranda em Ciências do Desporto na UTAD.
Fascinada pela área da patologia, Rita Teixeira decidiu aprofundar o estudo na área da demência de Alzheimer associando-a ao exercício físico, porque o Alzheimer é “a epidemia deste século”. E lamentou: “a cada quatro segundos aparece um novo caso de demência e esta realidade ainda me suscitou mais interesse”.
Destacando a importância deste estudo no momento atual, Rita Teixeira lança o desafio: “porque não atuar já? Estamos sempre a pensar que só através da poli-medicação é que podemos resolver uma patologia mas, muitas vezes, a medicina contemporânea (terapias não farmacológicas como a atividade física, a aromaterapia, a musicoterapia, entre outras) pode minimizar o evoluir de uma demência”, esclarece.
Para uma próxima edição, fica a promessa de um capítulo reservado aos cuidadores. A garantia foi dada pela autora do livro que considera a atuação dos cuidadores de “extrema importância”.
Rita Teixeira tem na ‘manga’ novos projetos a desenvolver no âmbito do apoio a doentes de Alzheimer e seus cuidadores, projetos esses que irão contribuir para uma melhor compreensão desta demência.

Livro sobre Alzheimer ajuda famílias a compreender melhor a demência

O livro ‘Alzheimer e suas implicações’, da cabeceirense Rita Teixeira, foi apresentado ao público no passado dia 17, uma cerimónia que juntou dezenas de pessoas na Casa Municipal da Cultura. À sessão associaram-se os presidentes da Câmara e da Assembleia Municipal de Cabeceiras de Basto, Engº Joaquim Barreto e Dr. Serafim China Pereira, respetivamente, o vereador da Cultura, Dr. Domingos Machado, demais autarcas do município e da freguesia, familiares e amigos da autora, assim como a população em geral.
Coube ao vereador da Cultura fazer a abertura da cerimónia, saudando a autora pelo lançamento do livro, a cargo do médico psiquiatra, Dr. José Teixeira de Sousa.
Depois de cumprimentar Rita Teixeira pela edição da obra, o médico Teixeira de Sousa afirmou: “li o livro com muito interesse e aprendi muitas coisas com ele. É um livro com grande mérito”, destacou.
Elogiando a autora que “dá neste livro uma perspetiva multidisciplinar”, Teixeira de Sousa falou da grande importância social que tem hoje a demência de Alzheimer. Nas suas palavras, o médico assegurou que “este livro ajudará as pessoas a melhor compreender a demência”.
Na sua intervenção, a autora, Rita Teixeira, desejou “dar um contributo para que possamos saber mais sobre o síndrome de Alzheimer”.
Na sua intervenção, o presidente da Câmara Municipal considerou a apresentação desta obra “motivo de satisfação e orgulho” para os cabeceirenses. De acordo com Joaquim Barreto, “o Alzheimer é um problema que nos preocupa a todos” e com este livro será possível “ficar a conhecer melhor esta realidade”.
Elogiando a equipa multidisciplinar que deu origem a este trabalho, o autarca realçou a “atualidade do tema” em questão e falou sobre o envelhecimento da população e da oportunidade que este livro traz à sociedade.
Por seu turno, o presidente da Assembleia Municipal, Dr. China Pereira, colocou em evidência o “drama que é a doença”, considerando que o livro agora apresentado constitui um “contributo valioso para as famílias e amigos dos doentes de Alzheimer”.
Dando os parabéns à autora pela concretização desta obra, China Pereira garantiu que “este livro vai contribuir para as pessoas lidarem melhor com as perturbações do Alzheimer”.
A publicação da obra ‘Alzheimer e suas implicações’ permite, assim, a partilha de conhecimentos sobre uma temática que afeta muitos cidadãos e tem consequências diretas nos familiares seus cuidadores.
Realizada em coautoria com Pedro Bessa, Pedro Areias Grilo, Sílvia Oliveira, Arthur Moreira da Silva Neto e Jader da Silva Alves, a publicação aborda a doença de Alzheimer que afeta milhares de portugueses.
O livro já está disponível online em: euedito.com, estando também a ser divulgado no Rio de Janeiro pelos dois colaboradores brasileiros que deram o seu contributo neste livro sobre o Alzheimer.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.