Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 09-07-2012

SECÇÃO: Concelho em acção

Ecopista em adiantada fase de construção

Ecopista em Vila Nune
Ecopista em Vila Nune
Encontra-se em adiantado estado de construção a Ecopista da Linha do Tâmega no troço de Cabeceiras de Basto, uma obra que abrange as freguesias de Vila Nune e do Arco de Baúlhe.
Além da recuperação do belo trajeto da Linha do Tâmega, a Câmara Municipal tem em vista a agregação de outras valências que permitam a valorização do património local, seja ambiental, edificado ou imaterial e transformem este projeto numa referência sociocultural, económica e turística.
Uma vez concluída, a Ecopista da Linha do Tâmega, servirá certamente como plataforma de acesso a outros ‘destinos’ de interesse no território Cabeceirense.
Obra da Ecopista no Arco de Baúlhe
Obra da Ecopista no Arco de Baúlhe
A Ecopista permitirá à população residente e aos visitantes um contacto mais próximo com o património natural, nomeadamente, as paisagens verdejantes, as aldeias e o rio Tâmega, assim como com o património arquitetónico e histórico, de que é exemplo a antiga Estação Ferroviária do Arco de Baúlhe.
De salientar que esta iniciativa resulta de um protocolo estabelecido em 2007 com a REFER, tendo em vista a reconversão da antiga linha do comboio do Vale do Tâmega em Ecopista, permitindo a sua utilização para percursos pedestres, de bicicleta ou qualquer outra não motorizada e que ligará a vila do Arco de Baúlhe a Amarante.
Recorde-se que o troço de Cabeceiras de Basto tem como ponto de chegada e de partida o Museu das Terras de Basto, um equipamento cultural que dispõe de um Núcleo Ferroviário com um importante espólio e ao qual estão associados mais dois núcleos museológicos – a Casa da Lã e o Núcleo Museológico do Baixo Tâmega – Arte Sacra na Igreja do Mosteiro de S. Miguel de Refojos.
De referir que o Núcleo Ferroviário do Arco de Baúlhe é um dos dez núcleos museológicos que integram a Fundação do Museu Nacional Ferroviário que tem por missão o estudo, a conservação, valorização e promoção do património histórico, cultural e tecnológico ferroviário português e por objetivo específico a instalação e a gestão do Museu Nacional Ferroviário, bem como a conceptualização, dinamização e gestão dos vários núcleos museológicos.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.