Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 18-06-2012

SECÇÃO: Informação

Cabeceiras de Basto mantém aposta na Feira do Cavalo

Os presidentes da Câmara e Assembleia Municipal inauguraram certame
Os presidentes da Câmara e Assembleia Municipal inauguraram certame
O Município de Cabeceiras de Basto viveu dois dias de intensa atividade ligadas ao cavalo, naquela que foi a terceira edição da Feira do Cavalo que decorreu no Centro Hípico, em Vinha de Mouros e por onde passaram centenas de pessoas ao longo do fim de semana de 2 e 3 de junho.
O primeiro dia ficou marcada pela abertura do certame, com a sessão inaugural presidida pelo edil Cabeceirense, Engº Joaquim Barreto que na oportunidade visitou os 15 stands expositores, fazendo-se acompanhar pelo presidente da Assembleia Municipal, Dr. China Pereira, pelos vereadores Dr. Domingos Machado, Francisco Pereira e Margarida Coutinho, pelos presidentes das Juntas de Freguesia, das administradoras das Emunibasto Prof. Stela Monteiro e Dra. Fátima Oliveira, pela diretora da Basto Vida, Dra. Catarina Ramos, assim como demais membros da Assembleia Municipal, entre outros convidados.
Centro Hípico acolheu Taça Regional Norte de Atrelagem
Centro Hípico acolheu Taça Regional Norte de Atrelagem
Coudelarias, artigos ligados ao cavalo, associações e produtos locais como mel, doces regionais, compotas e licores, artesanato, bijutaria, entre outros, não faltaram ao certame que teve como objetivo proporcionar aos locais e a todos os visitantes o contacto com diversas modalidades equestres e com diversos artigos relacionados com a atividade cavalar.
O presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Eng.º Joaquim Barreto, considerou na oportunidade que “a Feira do Cavalo é uma iniciativa que se enquadra no objetivo da Câmara e da empresa municipal de promoção económica e social do concelho, nomeadamente de valorização dos produtos locais”.
foto
De acordo com Joaquim Barreto, “a nossa identidade neste evento está associada ao cavalo enquanto animal que tem uma forte relação com o nosso passado e com a vivência das nossa populações em diferentes usos, como é o caso do transporte de pessoas, bens, usos agrícolas e ainda nas corridas de cavalos e outras provas em que o equídeo era o elemento principal que dava notoriedade, visibilidade e valor acrescentado a essas provas equestres”.
Organizado pela Câmara Municipal e pela Emunibasto, o certame promoveu a realização de várias atividades entre as quais, um passeio equestre pelas ruas da vila cabeceirense ao qual se associaram dezenas de produtores/expositores, um Concurso Oficial de Modelo e Andamentos – Cavalos Puro-Sangue Lusitano, a apresentação de exemplares da raça garrana e a sua função ao longo dos tempos, bem como, a realização da Taça Regional Norte de Derby de Atrelagem do Norte. O espetáculo teatral Terra Batida foi outra das aividades promovidas no Picadeiro Interior daquele Centro Hípico, protagonizado pelo Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto e teve lotação esgotada. Com os alunos da Universidade Sénior de Cabeceiras de Basto (USCab) no elenco, a peça contou com a participação especial dos Cavaquinhos da Raposeira, das Mulheres de Bucos, de jovens da Oficina de Interpretação Teatral do CTCMCB e do Rancho Folclórico ‘Os Camponeses de Arosa’. ‘Terra Batida’ trouxe, assim, “à memória o passado, os usos, costumes e tradições de um povo” que dedicou uma vida ao trabalho da terra.
Passeio equestre percorreu ruas da vila cabeceirense
Passeio equestre percorreu ruas da vila cabeceirense
Quatrocentas e cinquenta pessoas assistiram ao espetáculo onde “a vivência das antigas gerações foi transmitida às novas gerações”, destacou o presidente da Câmara Municipal, Eng.º Joaquim Barreto, visivelmente satisfeito com a realização do espetáculo e com o público que aderiu em massa ao evento.
O êxito que a Feira do Cavalo tem vindo a alcançar resulta do trabalho que vem sendo desenvolvido pela Câmara Cabeceirense, através da sua empresa municipal, em prol da valorização e da promoção das raças autóctones, quer criando condições físicas, quer dinamizando atividades ou promovendo espaços de debate, que valorizem o setor equestre. Uma aposta a manter no próximo ano.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.