Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 18-06-2012

SECÇÃO: Opinião

DE COMO SE ESCREVE “PORQUE” QUANDO SE DEVE ESCREVER “POR QUE”

A língua portuguesa, apesar de traiçoeira, não justifica que se lhe ande, constante e sistematicamente, a “dar pontapés”.

Dizem os compêndios gramaticais, o seguinte:
1 - Escreve-se “PORQUE” quando
1.1 - A palavra em causa é conjunção causal. Exemplo: “choro porque sofro”.

1.2 - quando é advérbio interrogativo: “porque não me disseste?”

1.3 - quando é substantivo: esse “porque” não serve.

2 - Escreve-se “POR QUE” quando:
2.1 - O “que” é um pronome relativo e, então, o “por que”
equivale a: pelo qual, pela qual, pelas quais. Exemplo: “É o trabalho por que me apaixonei”.
2.2 - O “que” é um pronome interrogativo: “por que nos empurramos uns aos outros”
2.3 - A seguir a verbos como: “fazer”, “lutar”, “sair”, e outros com significados idênticos. Exemplo: “vamos lutar por que Rio Tinto seja Concelho”.

Portanto, eu diria que, mais que traiçoeira, a Língua Portuguesa é difícil. Ora reparem ainda a propósito de PORQUE e POR QUE, no seguinte:

3 - Para uma mesma frase, mas com sentido diferente, ora se escreve PORQUE, ora se escreve POR QUE. Vamos a exemplos:

3.1 - “Porque esperas?” (no sentido de: esperas porquê?)
3.2 - “Por que esperas?” (no sentido de: por que coisa esperas?.

E não há nenhuma contradição com o exposto acima. Vejamos:

Em 3..1 PORQUE é advérbio interrogativo; Em 3.2 - Que é pronome interrogativo.

joaquimsantosmarinho@gmail.com

Por Joaquim Marinho

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.