Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 06-02-2012

SECÇÃO: Golpe de vista

Golpe de Vista
Triste e lamentável






Estava convencido de que a construção de uma nova Escola Básica e Secundária em Cabeceiras de Basto, para substituir os velhos pavilhões do antigo ciclo, no Campo do Seco, era do interesse de todos os Cabeceirenses.
O meu convencimento residia no facto desta obra melhorar muito as condições de ensino e de aprendizagem e, por conseguinte, servir melhor a comunidade educativa, ou seja, em primeiro lugar os alunos, depois os pais e encarregados de educação, os professores, os funcionários e os restantes agentes educativos e comunidade em geral.
Que ingénuo que eu sou!
Todos os Cabeceirenses, pensei eu!
Afinal há alguns Cabeceirenses - será que são Cabeceirenses? E alguns até são, ou foram, professores - que, através de comunicados e de textos que fazem publicar nos jornais, demonstram que não estavam interessados na construção desta extraordinária escola.
Com efeito, o que se pode ler nesses comunicados é um chorrilho de suspeições e informações falsas que servem apenas para pôr em causa a magnífica obra. O que se esperaria, era que todos os cidadãos Cabeceirenses se congratulassem e regozijassem pela concretização deste importante investimento, para bem, especialmente, das nossas crianças.
Mas não.
A ânsia de protagonismo e uma certa forma de fazer política partidária tem tolhido a mente de algumas pessoas. E, já agora, muito tem contribuído para os resultados eleitorais desastrosos que nos últimos anos têm conseguido. Ao menos isso!
Temos visto nos últimos dias uma grande preocupação, e bem, de todas as forças políticas Cabeceirenses na defesa da manutenção do Tribunal.
Infelizmente o mesmo não se tem passado com a nova Escola, no Campo do Seco.
Por isso, sou forçado a pensar que a Escola, as crianças, os pais, os professores, os funcionários, são, para essas pessoas, interesses menores.
Mas sejam sérios. Digam então sem rodeios. A Escola não se devia ter construído porque não era necessária. Os alunos e os professores estavam muito bem no velho ciclo, nos velhos pavilhões. Força, digam isso.
Que é triste e lamentável, lá isso é!
Uma coisa eu tenho a certeza. Quem assim fala contra a Escola não pode ser Pai de alguma criança que a frequente. Porque os Pais, esses, querem sempre o melhor para os seus filhos.
Uffa!

AC



© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.