Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 13-06-2011

SECÇÃO: Informação

Pela Câmara
Câmara Municipal aprova Plano de Acção no âmbito do Contrato Local de Desenvolvimento Social

Sob a presidência do Engº Joaquim Barreto reuniu no dia 9 de Junho, no edifício dos Paços do Concelho, a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto.
Dos assuntos tratados o destaque foi para a decisão do executivo municipal em aprovar o primeiro plano de acção, no âmbito do Contrato Local de Desenvolvimento Social do Concelho de Cabeceiras de Basto.

Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto
Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto
Segundo informação divulgada, trata-se de um documento de planeamento anual, previamente aprovado, por unanimidade, pelas 38 entidades que integram o Conselho Municipal de Acção Social e que foi submitido à apreciação do executivo Cabeceirense. Aqui são identificados os projectos e as intervenções face às necessidades individuais e colectivas, aduzidas pelo diagnóstico social e devidamente enquadradas nas estratégas definidas no Plano de Desenvolvimento Social.
Este Plano de Acção assenta em quatro importantes eixos, nomeadamente Emprego/Formação e Qualificação; Intervenção Familiar; Capacitação da Comunidade e das Instituições; e Informação e Acessibilidades.

Estratégias de inclusão
da população

O objectivo geral consiste em desenvolver estratégias inovadoras de promoção da inclusão da população sobretudo em situação de maior vulnerabilidade social, através da mobilização, interacção, integração e capacitação da comunidade. Procura-se aumentar os níveis de (in)formação e incrementar estratégias proactivas de procura de emprego potenciadoras de auto-estima e geradoras de novas oportunidades laborais e de formação através do acesso e disseminação de informação. Aumentar os níveis de competência pessoal e parental, dinamizar dinâmicas associativas locais para o desenvolvimento de actividades comunitárias, assim como certificar a população ao nível das competências básicas e das novas tecnologias de informação, estão igualmente previstas.

Aumentar a qualificação

O documento ora aprovado prevê, na área da Educação/Formação a realização de acções que visem incentivar a população a aumentar as suas qualificações através de RVC, dinamizar o Centro de Orientação Vocacional e Profissional e o Pólo de Formação Profissional de Cabeceiras de Basto, promover cursos de educação e formação, assim como fomentar a Universidade Sénior e o ensino pré-universitário. Os mecanismos de incentivo para os alunos do ensino secundário e a promoção de acções de formação/sensibilização na área da educação parental estão igualmente previstas nesta área de intervenção que perpassa as várias faixas etárias da população.

Melhorar condições
de vida

Outra das áreas tem como objectivo promover o acesso ao emprego, através da dinamização de programas ocupacionais, da promoção de iniciativas laborais e sessões informativas para entidades empregadoras locais alusivas à contratação de pessoas portadoras de deficiência.
A melhoria das condições de vida, nomeadamente dos idosos, da comunidade, da habitação e da saúde, é outra das áreas a trabalhar. Neste âmbito o Plano contempla novas respostas para um envelhecimento activo, a constituição de uma Comissão de Apoio e Protecção ao Idoso, campanhas de sensibilização em torno da violência sobre os idosos e o serviço de teleassistência. Debater a violência doméstica, intensificar o trabalho de parceria com o Núcleo Local de Inserção e promover acções formativas para cuidadores a pessoas dependentes no domicilio, são acções igualmente previstas e dirigidas à comunidade. A melhoria das condições de habitabilidade dos estratos mais desfavorecidos, a promoção de acções de sensibilização e orientação na área da gestão e organização doméstica e a gestão da ‘habitação de emergência social’, está igualmente previsto. No que à saúde diz respeito, as acções passam pela educação para a saúde, por reforçar os serviços de proximidade, por encaminhar situações de dependência face a substância psicoactivas, por promover o voluntariado, assim como, sessões de informação e de mediação junto de pessoas portadoras de deficiência e de combate à adopção de comportamentos de risco. A prestação de serviços de audiologia e de higiene oral, estão igualmente calculadas nesta área de interveção.

Estabelecer parcerias

Por fim, ao nível das Parcerias, pretende-se fomentar a participação activa dos parceiros seja na assunção de iniciativas, na realização da Carta Social Concelhia, na Rede Social, no apoio às IPSS’s e na formação/capitação dos cuidados institucionais a prestar serviço à população idosa e deficiente. Dar visibilidade e boas práticas à rede social é outras das áreas de intervenção deste primeiro Plano de Acção aprovado para 2011, com incidência no Município de Cabeceiras de Basto que ao longo dos anos tem vindo a desenvolver uma acção que pugna por um concelho socialmente responsável e solidário.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.