Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 02-05-2011

SECÇÃO: Informação

Ribeira de Pena
Perspectivas de futuro muito sombrias

Os vereadores do PS da Câmara Municipal de Ribeira de Pena mostram-se preocupados com o evoluir da situação financeira da Câmara. Com efeito, Rui Alves e Marcial Rodrigues dizem tratar-se de «uma preocupante actuação de desgoverno das finanças municipais, por parte do Presidente e dos Vereadores da Coligação do PSD-CDS que estão à frente da Câmara Municipal de Ribeira de Pena, desde Janeiro de 2002».
De acordo com uma nota divulgada pelos Vereadores socialistas, em 31 de Dezembro de 2010, a dívida total da Câmara de Ribeira de Pena ascende a 12,5 milhões de euros, tendo um aumento de 138% desde 2001. Quanto ao passivo (sem fundos próprios) o valor atinge 29 milhões de euros o que representou um aumento de 451% relativamente às contas de 2001. Nas outras dívidas a terceiros estão contabilizados 5,1 milhões de euros e o resultado líquido do exercício do ano 2010 é negativo em cerca de 2 milhões de euros. De referir que desde 2004 que todos os anos o resultado tem sido negativo.
Os Vereadores socialistas referem ainda, numa nota distribuída à imprensa, que o actual Presidente da Câmara, Agostinho Pinto, e os vereadores da Coligação PSD-CDS, Germinal Rodrigues e Albino Afonso, são também responsáveis pela gestão dos Empreendimentos Hidroeléctricos do Alto Tâmega e Barroso e que a Câmara Municipal há já vários anos que não recebe qualquer dividendo.
Adiantam os Vereadores socialistas que existe uma dramática falta de planeamento da actividade municipal e de estratégia de desenvolvimento para o concelho, bem notada na fraquíssima taxa de execução do Plano de Actividades e Contas de 2010, documentos, entretanto, apresentados e votados na Câmara e Assembleia Municipal em Abril último.
«Apesar da situação de dificuldade financeira que o país atravessa o executivo municipal aumentou as despesas em todas as rubricas do orçamento o que determinou uma dívida acumulada de 12 milhões de euros», acrescentam.
O Partido Socialista de Ribeira de Pena entende que o caminho terá que ser invertido e que os responsáveis autárquicos «deverão apostar no incremento da indústria e do turismo, na dinamização dos espaços e equipamentos públicos, na requalificação urbana dos lugares, na melhoria da qualidade de vida, com água em quantidade de qualidade, na ampliação das redes de saneamento, na melhoria das acessibilidades».
E para concluir referem que 2010 fica marcado pelo facto do Município ter atingido o limite mínimo do equilíbrio financeiro o que pode determinar a perda de receitas provenientes do Estado, tal como acontece com o Município vizinho de Mondim de Basto que viu as transferências do Orçamento de Estado serem reduzidas em montantes muito significativos.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.