Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 23-08-2010

SECÇÃO: Informação

Câmara limpa fachadas da Igreja do Mosteiro S. Miguel de Refojos

A Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto está a levar a cabo, desde o dia 2 de Agosto, uma “operação” de limpeza nas fachadas da Igreja do Mosteiro de S. Miguel de Refojos.

A grua com 45 metros permitiu a limpeza das fachadas
A grua com 45 metros permitiu a limpeza das fachadas
Para o efeito foi alugada maquinaria adequada, isto é, duas gruas com 38 e 45 metros de altura, tendo em vista a realização desta delicada intervenção, que consiste em retirar as ervas infestantes que já se vislumbravam naquele importante monumento Cabeceirense, mais precisamente junto às torres sineiras. Também o musgo abundante e o ‘estrume’ das pombas foi retirado. A acumulação destes lixos, assim como de aves mortas, estava a danificar o monumento, permitindo, inclusive, a infiltração de humidades. É de salientar, que apenas numa das torres foram retirados 30 sacos de lixo, que se deve sobretudo, à presença das pombas no imóvel. Pode constatar-se que o número de pombas tem vindo a aumentar, em parte porque algumas pessoas teimam em alimentar estas aves, deitando-lhe arroz, milho e produto, ignorando que a sua presença permantente no Mosteiro de S. Miguel de Refojos em geral, e na Igreja em particular, está acontribuir para a sua degradação.


Câmara mete ‘mãos à obra’


Esta não é a primeira vez que a Câmara Municipal disponibiliza meios técnicos e humanos para a preservação do património edificado existente no concelho, nomeadamente na Igreja do Mosteiro de S. Miguel de Refojos. A pesar de não ser da sua responsabilidade, já que a Igreja do Mosteiro é um monumento classificado, pertença do Estado, a entidade encarregue pela conservação destes imóveis de interesse público, tarda a intervir, motivo pela qual a Câmara Municipal ‘meteu mãos à obra’ e decidiu levar a cabo a ‘operação’ de limpeza do edifício.
Saúl Senra e Manuel Oliveira levaram a cabo este trabalho
Saúl Senra e Manuel Oliveira levaram a cabo este trabalho
Nesta como outras intervenção já feitas, a Câmara, de forma faseada, quer estabelecendo parcerias, quer assumindo obras a expensas próprias, tem vindo ao longo dos anos, a executar trabalhos de conservação ou restauro, seja no zimbório, na sacristia, no coro alto, entre outras intervenções efectuadas com o objectivo de preservar e dignificar este importante monumento cabeceirense.
De referir que os trabalhos realizados são normalmente de natureza complexa e delicada, por vezes de risco, e por isso, a necessidade de recorrer a equipas e equipamentos especializados para intervir quer no interior, quer no exterior do edifício, seja ao nível do restauro das talhas, do tratamento da pedra, da recuperação do órgão de tubos ou, como foi o caso, na limpeza das fachadas e telhados.
Limpeza de ervas nas torres sineiras
Limpeza de ervas nas torres sineiras


Trabalhadores municipais realizam esta delicada tarefa


O Ecos de Basto teve oportunidade de falar com os trabalhadores municipais, Saul da Costa Senra e Manuel da Cunha Oliveira que levaram a cabo esta delicada e arriscada intervenção nas fachadas da Igreja do Mosteiro de S. Miguel de Refojos, assim como, nos telhados do edifício dos Paços do Concelho.
Ambos mostraram-se surpreendidos pela quantidade de lixo que retiraram das fachadas, zimbório e telhados. Tal como referido, dominava o lixo da pombas (um dos mais nocivos para os monumentos em pedra), algumas aves mortas que entupiam os caleiros e muito musgo. Retiraram também algumas silvas, vegetação e até uma figueira. Os operários municipais, transportados num cesto que alcançou os 45 metros de altura, foram concretizando esta operação de risco, que permitiu a limpeza do monumento, cujas infestantes estavam a danificar e a ofuscar a sua beleza.
As silvas, ervas, figueira e muito lixo de pombos foram retirados
As silvas, ervas, figueira e muito lixo de pombos foram retirados
Os dois corajosos elementos das brigadas municipais, coadjuvados também por um terceiro elemento, o sr. Manuel, realizaram esta tarefa custeada na totalidade pela Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, que apesar de não ser da sua responsabilidade, teima em não deixar degradar este Mosteiro, orgulho das gentes da terra e património de relevante interesse no panorama nacional.
Ao que apuramos, seguem-se outros trabalhos, nomeadamente no que à colocação de vidros diz respeito, bem como, uma intervenção nos caleiros.
De referir ainda, que os trabalhos levados a cabo, duraram cerca de duas semanas.
foto


foto

foto













































© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.