Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 02-08-2010

SECÇÃO: Opinião

Acordo Triste

Acordo triste
Triste estou quando me deito
No meu peito
A mágoa existe
Acordo triste
No meu leito

No pensamento
O desalento
Porque, partiste
Anda a deriva
A minha vida
Acordo triste

Silenciosa, foi embora
Meu coração por ela chora
Chora de dor e de saudade
Em mim o amor persiste
Acordo e deito-me triste
Com esta pena que me invade

Não a consigo esquecer
Sem ela não é viver
E de todas a mais bela
Talvez destino ou sorte
Sei que pra’lem da minha morte
Meu coração bate por ela

Seus sonhos eram os meus
Porquê não disseste adeus
Nem a hora da partida
De mim não te despediste
Vou me deitar e acordar triste
Durante toda a minha vida

Talvez numa noite de luar
Num cavalo a galopar
Sem ré dias e sem selim
A hora pouco importa
Verte entrar a nossa porta
E ouvir-te chamar por mim
Vivo, desesperado sem saber
Por ventura um dia ao anoitecer
As estrelas te digam que adormeci
Dormindo, sonho e por ti espero
Que o vento te traga e leve o desespero
Não, não consigo esquecer-me de ti


F.CARVALHO

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.